Não se pode entender a vida cristã sem o Espírito Santo

Palavras do Papa Francisco na homilia da missa diária celebrada na capela da Casa Santa Marta

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 706 visitas

“O Espírito Santo é nosso amigo e companheiro de caminho e nos indica onde está Jesus”. Assim o papa Francisco iniciou a homilia desta manhã na capela da Casa Santa Marta. Segundo afirma a Radio Vaticana a homilia foi centrada no Espírito Santo, que “em Deus, na pessoa de Deus, dá testemunho de Jesus Cristo em nós”.

Participaram da missa presidida pelo Papa nesta segunda-feira, 06,alguns funcionários do Vaticano acompanhados pelo cardeal Angelo Comastri e pelo monsenhor Pablo Colino, prefeito da Capela Musical, que também concelebraram.

“Não se pode entender a vida cristã sem o Espírito Santo: não seria cristã. Seria uma vida religiosa, pagã, piedosa, que crê em Deus, mas sem a vitalidade que Jesus quer para seus discípulos. E o que dá a vitalidade é a presença do Espírito Santo em nós”-afirmou.

Sobre aprimeira leitura o Papa comentouum belo episódio: o de Lídia, a mulher que ouvia Paulo e a quem o Senhor abriu o coração para que escutasse as palavras do Apóstolo.

“É isto que o Espírito Santo faz: abre nosso coração para conhecermos Jesus, nos prepara ao encontro, nos faz caminhar em seu caminho”-prosseguiu.

Francisco falou também da oraçãocomo“via para obtermos, em todos os momentos, a graça da fecundidade da Páscoa”: uma riqueza possível graças ao Espírito Santo.

O Papa Francisco destacou a importância do exame de consciência na vida de todo cristãocomoum “exercício que faz bem, pois tomamos consciência exatamente daquilo que o Senhor faz em nosso coração”.E questionou:“Temos o costume de nos perguntarmos, no final do dia: ‘O que fez hoje o Espírito Santo em mim? Que testemunho me deu? Como me falou? O que me sugeriu?”.

Ao final o Papapediu “a graça de nos acostumarmos, de termos familiaridade com o Espírito Santo… è um amigo. È uma presença divina que nos ajuda a seguir avante em nossa vida de cristãos”- e concluiu -“Peçamos esta graça, hoje, para que tenhamos presente, em todo momento, a fecundidade da Páscoa”.