Neste mês de maio muitas alegrias se descortinam em nosso coração

Dom Orani, arcebispo do Rio de Janeiro, escreve sobre sua peregrinação a Fátima e a consagração da JMJ Rio 2013

Roma, (Zenit.org) Redacao | 472 visitas

D. Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, dirigiu aos seus diocesanos uma mensagem em que expressa “o especial significado” de que se revestirá o próximo dia 13 de maio, ocasião em que presidirá em Fátima/Portugal à peregrinação internacional aniversária da primeira aparição de Maria, em 1917– recordou a Assessoria de Imprensa do Santuário.

Neste mês de maio “muitas alegrias se descortinam em nosso coração: a celebração das mães, no segundo domingo; a festa de Nossa Senhora de Fátima, que neste ano para mim tem um especial significado, porque estarei em Fátima a convite do Senhor Bispo de Leiria-Fátima, para presidir as solenidades do dia 13 de maio, quando, a pedido do próprio Papa Francisco, iremos consagrar o seu Pontificado à Materna Proteção da Virgem”- afirmou D. Orani na mensagem divulgada no site da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Na mensagem aos seus diocesanos o arcebispo do Rio de Janeiro recorda também “a intenção de consagrar toda a JMJ, seus jovens, colaboradores, organizadores a Maria, para que interceda por todos e nos ensine a dizer “sim ao Senhor para que o seu plano de amor e salvação se cumpra em nossas vidas”.

“A mensagem de Fátima é cheia de esperança, exigente e ao mesmo tempo confortadora, anunciada a todos os homens e mulheres de boa vontade, particularmente num mundo violento que clama por paz e por justiça”. Para o arcebispo a mensagem “centrada na oração, na penitência e na conversão, que se projeta para além das ameaças, perigos e horrores da história” convida “o homem a ter confiança na ação de Deus, a cultivar a grande boa Esperança, a fazer experiência da graça do Senhor para se enamorar d'Ele, fonte do amor e da paz”.

Dom Orani termina a mensagem convidando a  recitar o Rosário “em nossas famílias, em nossas comunidades, em nossas paróquias e em nossos trabalhos nos ajudará, neste mês abençoado, a nos colocarmos na escola de Maria, que nos ensina a fazer sempre a vontade de Jesus” e explica que “os mistérios contemplados no Rosário são de Jesus. A repetição das Ave-Marias é um modo contemplativo de estar com Maria a meditar nos mistérios de nossa salvação, porque o Rosário Mariano é completamente cristológico”.

Ao final da mensagem o arcebispo propõe aos diocesanos que peregrinem aos santuários marianos de Nossa Senhora da Penha e de Nossa Senhora de Fátima, ganhando assim as graças necessárias adjuntas ao Ano da Fé.