Nós, clero e fieis chineses não vos esquerecemos

Carta de agradecimento da Igreja na China para Bento XVI

Roma, (Zenit.org) | 1039 visitas

Nos últimos dias a Santa Sé tem recebido muitas cartas de católicos e não católicos de todo o mundo expressando seu agradecimento ao Papa Bento XVI pelo seu pontificado.

No brifieng desta manhã, o porta-voz da Sala de Imprensa Vaticana chamou a atenção sobre uma carta enviada por um grupo de católicos chineses, na qual agradeciam de uma forma muito especial a atenção que Bento XVI tem dado à China durante o seu pontificado.

Publicamos a carta a seguir: 

***

Santo Padre:

Nós, clero e fieis chineses não vos esquerecemos

22 de fevereiro de 2013

Caro Santo Padre,

Como sabeis, desde muito tempo nós, clero e fieis na China, temos um especial afeto pela Vossa pessoa. Vos amamos e oferecemos a cada dia por vós as nossas orações e Missas.

Porém, na tarde do 11 de fevereiro, chegou-nos a comovedora e triste notícia: por causa da idade avançada e da debilidade física, Vossa Santidade decidistes renunciar, no final deste mês, ao seu ministério.

Ainda que muitos de nós não tivemos a possibilidade de visitar-vos pessoalmente e vós não tivestes tido a possibilidade de visitar a terra da China no extremo Oriente, a Vossa renúncia nos fez refletir no afeto e no amor mostrado por Sua Santidade ao Povo Chinês e aos Católicos chineses.

“Neste mundo, todos os cristãos estão sofrendo por Cristo, mas somente os católicos na China sofrem, ao mesmo tempo, por Sua Santidade, o nosso Papa, o Bispo de Roma”: são as palavras de um ex Delegado Apostólico na China, enquanto Vos apresentava a Igreja na China, alguns meses depois da Vossa eleição ao trono Pontifício.

Depois, Sua Santidade parecia ter entrado num longo, profundo silêncio.

Porém, sabemos que Vossa Santidade dedicou uma especial atenção à China e reservou um lugar especial no Seu coração à Igreja católica na China. Procurou promover o diálogo e aliviar a cruz que carregamos mostrando preocupação e abençoando a China e o povo chinês. Durante os oito anos do Vosso Pontificado, sempre vos preocupastes com o clero e os fieis chineses com profundos sentimentos de amizade pelo povo chinês.

Nunca esquerecemos que, na Festa anual da primavera, não somente cumprimentastes o povo de todas as Nações que celebram o Ano Novo Lunar, mas enviastes especiais bençãos para os milhões de compatriotas chineses.

Não esquerecemos nunca que, enquanto a estafeta da torcha da 28ª edição dos Jogos Olímpicos de Pequim estava impedida por uma forte oposição, vós generosamente e justamente desejastes o melhor para a China e o Povo Chinês que estavam se preparando para aqueles Jogos.

Não esqueceremos que quando graves tempestades de neve atingiram o Sul da China; quando em 2008 um terremoto devastou Wenchuan no Sichuan; quando houve o terremoto em Yushu, no Qinghai e deslizamentos e inundações devastaram Zhouqu no Gansu, em 2010, Vossa Santidade não somente expressou dores e chorou a morte dos nossos compatriotas, mas dirigiu um apelo à Igreja Universal para que rezasse pelas vítimas, pelo pessoal dos vários Governos e pelas pessoas de bom coração comprometidas em primeira fila no socorro das regiões afetadas. Além do mais dirigistes um apelo aos outros Países para dar uma mão de amizade em ajuda das regiões afetadas na China e rezastes para que o Senhor ajudasse a China e o povo chinês naqueles tempos difíceis. Vossa Santidade ofereceu depois por quatro vezes generosas doações através das “Jinde Charities” por meio de “Cor Unum”.

Não esqueceremos depois as Vossas bençãos e as Vossas saudações pela publicação dos Missais em chinês simplificado.

Nem esqueceremos que Vossa Santidade expressou publicamente sentidas felicitações aos novos líderes do nosso País e concedeu uma generosa benção ao povo chinês na recente Mensagem de Natal do passado 25 de dezembro.

Não esqueceremos jamais a longa, histórica, carta ao clero e aos fieis chineses e a oração que escreveu pela China pouco depois de ter subido ao Trono pontifício.

Não esqueceremos jamais que, nos últimos oito anos, houve só cumprimentos, saudações amigáveis e grandes esperanças expressadas nas mensagens enviadas por vós à China. Apesar dos conflitos e dificuldades, apesar da tristeza e das desilusões que vos podemos ter dado, sempre abraçastes a China e a Igreja católica na China com amor paterno e respeitado e mostrado compaixão e cuidado pelo povo chinês e os católicos. Sempre nos lembraremos disso com afeto nos nossos corações.

Nos últimos oito anos, quando teve que enfrentar situações internacionais complexas e incertas, Vossa Santidade fez todo o esforço para salvar a dignidade humana, perseguir a verdade, defender os valores da fé e promover ativamente a nova evangelização. No dia 28 de fevereiro, Vossa Santidade deixará a Cátedra de Pedro com serenidade. A atitude livre e aberta que tendes mostrado diante do poder, da honra e do status, e a vossa resposta forte, perseverante e humana diante dos vários desafios, conquistaram o respeito de todos. Isso não somente comoveu o mundo, mas também nos dificulta – a nós clero e católicos chineses – de dizer-vos adeus.

Perdoe as nossas fraquezas e limites! Santidade, esperamos que na Vossa futura vida retirada continueis a cuidar do pequeno rebanho na China e continueis em contato com o povo chinês na oração. Também nós rezaremos por vós e pelo Vosso sucessor!

Obrigado, caro Santo Padre! Nós, clero e fieis chineses, não vos esqueceremos jamais. Vos amaremos para sempre!

Um grupo de membros do clero e dos fieis chineses (alguns bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos)