Nova evangelização: a fé deve ser testemunhada com a caridade

Entrevista com o cardeal Maradiaga, presidente da Caritas Internationalis

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 1301 visitas

Durante o Natal, a ajuda aos mais vulneráveis ​​brilha de modo especial. Mas há quem ajude o ano todo e não apenas em situações de emergência ou em datas especiais. É o caso da Caritas.

ZENIT conversou com o presidente da Caritas Internationalis, cardeal Oscar Rodríguez Maradiaga, que explicou que, na nova evangelização, a diakonia da fé passa pelo serviço da caridade. Maradiaga ressalta o quanto é importante motivar os fiéis nas paróquias para que eles organizem atividades de pastoral social. Graças ao princípio da subsidiariedade, uma grande quantidade de iniciativas pode ser colocada em prática.

Qual é o trabalho da Caritas, em especial no natal e durante as emergências?
Cardeal Maradiaga: A Caritas é identificada muitas vezes só com casos de emergência, mas as emergências são apenas uma parte do trabalho. A parte mais importante é motivar os fiéis a organizar atividades de pastoral social nas suas paróquias.

O que é necessário para atingir esse objetivo?
Cardeal Maradiaga: A Caritas tem uma rede bastante extensa, que funciona quando as paróquias são organizadas. Onde existem as Caritas paroquiais, existe a Caritas diocesana e a Caritas nacional. Como federação, existem atualmente 165 países que fazem parte da rede Caritas. Só na Espanha, por exemplo, existem 62.000 voluntários, seis mil paróquias organizadas e, graças a isso, é possível distribuir um milhão de refeições por dia.

Então, o princípio da subsidiariedade é essencial no trabalho...
Cardeal Maradiaga: É por isso que funciona, mesmo sem muitos recursos. Por exemplo, também na Espanha, no total dessas seis mil paróquias que eu mencionei, existem quatro mil pessoas que são assalariadas. O resto é voluntariado.

E na América Latina, o trabalho voluntário funciona?
Cardeal Maradiaga: Na América Latina, o voluntariado não era muito difundido, mas foi trilhando o seu caminho com pequenos passos e, hoje em dia, em alguns países, já presta uma bela ajuda.

É uma forma de dar testemunho?
Cardeal Maradiaga: Sem dúvida! Especialmente agora, que falamos de nova evangelização, porque temos a certeza de que o serviço da fé passa pelo serviço da caridade. E o Santo Padre deixou claro no discurso de 3 de dezembro, na sessão plenária do Conselho Pontifício Justiça e Paz: "De uma nova evangelização do social pode derivar um novo humanismo e um renovado compromisso com a cultura e com o planejamento. Ela ajuda a destronar os ídolos modernos, a substituir o individualismo, o consumismo materialista e a tecnocracia por uma cultura da fraternidade e da generosidade, do amor solidário".