«Novas tecnologias, novas relações»: proposta do Papa a comunicadores

Tema para a Jornada Mundial das Comunicações Sociais de 2009

| 1205 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 29 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- «Novas tecnologias, novas relações. Promover uma cultura de respeito, de diálogo, de amizade»: este é o tema escolhido por Bento XVI para a Jornada Mundial das Comunicações Sociais de 2009.

«Mais que um simples tema, acho que o Papa nos coloca diante de um autêntico programa de trabalho», reconheceu o arcebispo Claudio Maria Celli, presidente do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais.

O tema foi anunciado pelo conselho vaticano nesta segunda-feira, 29 de setembro, festa dos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael. A mensagem que o Papa escreverá sobre o tema por ocasião da jornada mundial deverá ser publicada em 24 de janeiro, memória de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas. 

O tema escolhido pelo Papa, segundo Dom Celli, é «um compêndio dos compromissos e das responsabilidades que a comunicação e os homens da comunicação estão chamados a assumir em primeira pessoa, numa época tão fortemente caracterizada pelo desenvolvimento das novas tecnologias que, de fato, criam um novo ambiente, uma nova cultura».

«De certa forma – continua dizendo o presidente do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais –, poderíamos dizer que o Papa pede hoje aos agentes da comunicação o que pediu durante o encontro com o mundo da cultura em Paris, ou seja, assumir uma atitude verdadeiramente filosófica: enxergar além das coisas ‘penúltimas’ e lançar-se à busca das últimas, as verdadeiras.»

«É evidente a confiança do Papa diante das possibilidades dos meios de comunicação», acrescenta Dom Celli, que considera que «a mídia pode ser de grande ajuda para favorecer um clima de diálogo e de confiança».

«Sublinhar o fato de que às novas tecnologias devem corresponder novas relações significa tocar profundamente a relação sobre a qual a comunicação vive e se desenvolve: o avanço dos instrumentos não significa um passo adiante, mas sempre cria novas condições e possibilidades para que o homem utilize e invista estes recursos para o bem comum e o coloque bases para um crescimento cultural amplo e difundido.»

Dom Celli acrescenta que «se considerarmos que quem trabalha nos meios de comunicação é antes de tudo um agente cultural, então virão imediatamente à mente as palavras que o Papa pronunciou ao concluir seu discurso aos intelectuais: ‘uma cultura meramente positivista, que limitasse ao campo subjetivo como não-científica a pergunta sobre Deus, seria a capitulação da razão, a renúncia a suas possibilidades mais elevadas e, conseqüentemente, uma ruína do humanismo, cujas conseqüências não poderiam ser mais graves’».

Para responder ao convite de Bento XVI, Dom Celli faz um anúncio como presidente do Conselho do Papa para as Comunicações Sociais: «Em março do próximo ano programamos um encontro dos bispos responsáveis pela comunicação em um seminário organizado em colaboração com os professores universitários especialistas em mídia para formular uma pastoral dos meios de comunicação mais precisa e moderna».

A Jornada Mundial das Comunicações Sociais é a única celebração mundial convocada pelo Concílio Vaticano II (Inter mirifica, 1963) e se celebra em quase todos os países do mundo no domingo precedente a Pentecostes.