O abraço do papa Francisco aos pobres de Roma

O esmoleiro de Sua Santidade celebrou uma missa de sufrágio pelos sem-teto que morreram nas ruas

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 314 visitas

"Esta manhã, antes de sair de casa para vir me reunir com vocês, eu cumprimentei o papa Francisco e contei que vinha celebrar esta missa. Ele me escutou e depois me disse: não posso ir junto, mas diga a todos que eu mando um abraço forte, forte, forte!".

Com estas palavras, mons. Konrad Krajewsky, esmoleiro do papa, começou na igreja de Santa Maria em Trastevere a liturgia de hoje "em memória de Modesta e dos pobres que morreram nas ruas". Centenas de pessoas pobres, especialmente moradores de rua, participaram da missa junto com seus amigos da Comunidade de Santo Egídio, que os acompanha nas dificuldades diárias. A missa recorda todos aqueles que perderam a vida por causa da pobreza extrema nas ruas do mundo.

A memória começou há 30 anos, depois da morte de Modesta Valenti, uma idosa sem-teto que morreu na rua e não recebeu nenhuma ajuda porque estava suja.

Foi longa a lista de nomes das pessoas que foram recordadas. Para cada nome, os participantes que desejassem acendiam uma vela. É um momento de grande emoção para todos: para os que vivem sem nada, lembrar dos nomes dos amigos é também a certeza de que eles não serão esquecidos.

No fim da liturgia, os celebrantes oferecem uma flor e uma imagem de Maria a cada um. Na paróquia de Santa Maria in Trastevere foi oferecido um grande almoço para todos os participantes da liturgia. Com o mau tempo destes dias em Roma, este foi mais um dos agradáveis convites que a paróquia costuma fazer aos marginalizados da Cidade Eterna.