O amor de Deus vem sempre antes do nosso! Ele sempre toma a iniciativa.

Angelus com o Papa Francisco na Festa da Epifania do Senhor

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 529 visitas

No final da Missa celebrada hoje, na Basílica Vaticana, por ocasião da solenidade da Epifania do Senhor, o Santo Padre Francisco apareceu na janela de seu escritório no Palácio Apostólico Vaticano para rezar o Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Eis as palavras do Papa, na introdução da oração mariana:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje celebramos a Epifania, isso é, a “manifestação” do Senhor. Esta solenidade está ligada à passagem bíblica da ida dos magos do Oriente a Belém para homenagear o Rei dos Judeus: um episódio que o Papa Bento comentou de maneira magnifica em seu livro sobre a infância de Jesus. Aquela foi a primeira “manifestação” de Cristo aos povos. Por isso, a Epifania destaca a abertura universal da salvação trazida por Jesus. A Liturgia deste dia aclama: “Te adorarão, Senhor, todos os povos da terra”, porque Jesus veio para todos nós, para todos os povos, para todos!

De fato, esta Festa nos mostra um duplo movimento: de um lado, o movimento de Deus para o mundo, para a humanidade – toda a história da salvação, que culmina em Jesus -; e de outro lado o movimento dos homens para Deus – pensemos nas religiões, na busca da verdade, no caminho dos povos para a paz, a paz interior, a justiça, a liberdade. Este duplo movimento é movido por uma recíproca atração. Da parte de Deus, o que o atrai? É o amor por nós: somos seus filhos, nos ama, e quer libertar-nos do mal, das doenças, da morte e levar-nos à sua casa, no seu Reino. “Deus, por pura graça, nos atrai para unir-nos a Si” (Exort. Ap. Evangelii Gaudium, 112). E também da nossa parte há um amor, um desejo: o bem sempre nos atrai, a verdade nos atrai, a vida, a felicidade, a beleza nos atrai…Jesus é o ponto de encontro desta atração recíproca, deste duplo movimento. É Deus e homem: Jesus. Deus e homem. Mas quem toma a iniciativa? Sempre Deus! O amor de Deus vem sempre antes do nosso! Ele sempre toma a iniciativa. Ele nos espera, Ele nos convida, a iniciativa é sempre sua. Jesus é Deus que se fez homem, encarnou-se, nasceu para nós.  A nova estrela que aparece aos magos foi o sinal do nascimento de Cristo. Se não tivessem visto a estrela, aqueles homens não teriam partido. A luz nos precede, a verdade nos precede, a beleza nos precede. Deus nos precede. O profeta Isaías dizia que Deus é como a flor da amendoeira. Por que? Porque naquela terra a amendoeira é a primeira que floresce. E Deus sempre precede, sempre nos busca primeiro, Ele dá o primeiro passo. Deus nos precede sempre. A sua graça nos precede, e essa graça apareceu em Jesus. Ele é a Epifania. Ele, Jesus Cristo, é a manifestação do amor de Deus. Está conosco.

A Igreja está dentro deste movimento de Deus para o mundo: a sua alegria é o Evangelho, é refletir a luz de Cristo. A Igreja é o povo daqueles que experimentaram esta atração e a levam dentro, no coração, na vida. “Eu gostaria – sinceramente – eu gostaria de dizer àqueles que se sentem afastados de Deus e da Igreja – dizer respeitosamente – dizer àqueles que são temerosos e indiferentes: o Senhor chama vocês também, chama para fazer parte de seu povo e o faz com grande respeito e amor!” (ibid, 113). O Senhor te chama. O Senhor te procura. O Senhor te espera. O Senhor não faz proselitismo, dá amor, e este amor te busca, te espera, você que neste momento não crê ou está distante. E este é o amor de Deus.

Peçamos a Deus, por toda a Igreja, peçamos a alegria de evangelizar, porque “por Cristo foi enviada para revelar e comunicar a caridade de Deus a todos os povos” (Ad gentes, 10). A Virgem Maria nos ajude a ser discípulos missionários, pequenas estrelas que refletem a sua luz. E rezemos para que os corações se abram para acolher o anúncio, e todos os homens possam “ser participantes da promessa por meio do Evangelho” (Ef 3, 6).

(Após o Angelus)

 Irmãos e irmãs,

Dirijo as minhas cordiais saudações aos irmãos e irmãs das Igrejas Orientais que amanhã comemorarão o Santo Natal. A paz que Deus doou à humanidade com o nascimento de Jesus, Verbo Encarnado, reforce em todos a fé, a esperança e a caridade, e conforte as comunidades cristãs, as Igrejas que passam por provações.

A Epifania é o dia das crianças missionárias, proposto pela Pontifícia Obra da Santa Infância. Tantos jovens, nas paróquias, são protagonistas de gestos de solidariedade para com os seus coetâneos e, assim, alargam os horizontes da fraternidade. Queridas crianças e jovens, com as orações e o compromisso de vocês, vocês colaboram com a missão da Igreja. Eu agradeço e abençoo por isso!

Saúdo a todos vocês aqui presentes: famílias, grupos paroquiais e associações. Em particular, saúdo os jovens do Movimento Entre Nós e os do Oratório de San Vittore de Verbania; Escoteiros de Minori e Castelforte, o coro de Santo Antonio de Lamezia Terme; o coro de Gozo "Laudate Pueri ", que junto à Capela Sistina animaram as músicas da liturgia de hoje; a escola católica "Giacomo Sichirollo" de Rovigo; e os participantes da procissão histórica e folclórica, que este ano foi animada pelas famílias da cidade de Leonessa e de outros lugares na província de Rieti. Desejo a todos uma boa Festa da Epifania e bom almoço e adeus!

(Trad.:CN notícias/ ZENIT)