O anúncio do Evangelho deve ser acompanhado pela credibilidade de quem o anuncia

Mensagem por escrito do cardeal Giuseppe Versaldi, presidente da Prefeitura de Assuntos Econômicos da Santa Sé

| 1471 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 23 de outubro de 2012 (ZENIT.org) – O cardeal Giuseppe Versaldi se manifestou por escrito ao sínodo dos bispos, com a mensagem que transcrevemos a seguir.

Como Cristo ensinou, o anúncio do Evangelho deve ser sempre acompanhado pela credibilidade de quem o anuncia, praticando a mensagem que proclama. Isto diz respeito também ao modo como a Igreja usa os bens temporais necessários para a sua missão espiritual. Faço três observações a propósito da atualidade deste tema:

1) Existe uma real dificuldade para encontrar o justo equilíbrio entre as prioritárias exigências da finalidade espiritual e as técnicas com que os bens materiais são tratados pelas administrações eclesiásticas, já que essas técnicas são ditadas pelo mundo e, frequentemente, podem contrastar com o fim religioso. Por conseguinte, são possíveis os erros de quem administra os bens eclesiásticos, a cujo respeito deve valer, na Igreja, a suposição da boa intenção e da honestidade até a demonstração do contrário, em vez da fácil acusação de interesses ou de poder pessoal, própria de quem denigre a Igreja.

2) Nos casos possíveis de má administração, deve valer como terapia na Igreja o remédio evangélico da correção fraterna. Antes da denúncia à autoridade, deve praticar-se a acareação pessoal, para possibilitar a revisão e reparação. Transparência não significa automaticamente publicação do mal que pode causar escândalo. Somente se não houver conversão é que se deve recorrer à autoridade competente, a quem cabe a tarefa de verificar as acusações sem que estas já sejam consideradas provas de mau governo.

3) Necessidade positiva de que a Igreja comunique melhor ao mundo como são usados os bens que estão em sua posse, a serviço da evangelização e da promoção humana no mundo todo. Não se trata de exibir o bem que se faz, mas de testemunhar a grande caridade da Igreja, que deve brilhar como luz que ilumina o mundo.

(Trad.ZENIT)