O barulho de uma floresta que cresce

O cardeal Angelo Bagnasco invoca ao Senhor, pede trabalho para os jovens, uma boa educação escolástica e promoção da família, para que a floresta boa e silenciosa tenha mais voz do que as árvores que caem ruidosamente

Roma, (Zenit.org) Antonio Gaspari | 372 visitas

"Gostaríamos de dizer ao mundo moderno que Deus tem a ver com a vida, não está distante e indiferente, não é inimigo obscuro da alegria mas é a fonte perene dela, não é concorrente ciumento da liberdade mas é a mais segura garantia dela”.

Foi o que disse ontem à tarde o cardeal Angelo Bagnasco durante as palavras no Conselho Permanente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), que está acontecendo em Roma (27-30 de janeiro).

O presidente da Conferência Episcopal dos Bispos reafirmou sua proximidade com a comunidade.

"Nós - disse ele – conhecemos a vida das pessoas, e queremos testemunhar a dignidade, o sentido da família, a capacidade de dedicação e de sacrifício, a bondade muitas vezes heróica de cada dia”.

"Continuamos admirados pela sua fé humilde e simples”, e queremos – destacou – “que esta floresta boa e silenciosa tivesse mais voz do que as árvores que caem barulhentas”.

De acordo com o arcebispo de Gênova a fé e a bondade difundidas na Itália, têm "raízes profundas e antigas", que nascem com os apóstolos e se alimentam com a oração, os sacramentos e a caridade para com os mais fracos.

Estas são as virtudes que inspiram a devoção popular, um sinal de um "sentir" religioso difundido que é um verdadeiro patrimônio da Itália.

Renovando a relação entre evangelização e promoção humana, o cardeal Bagnasco disse que os bispos não podem abster-se de dizer uma palavra sobre o contexto social, e por isso é uma obrigação “dar voz a muitos que não têm voz, mas que são o tecido conectivo do País com o seu trabalho, a dedicação, a honestidade”.

Neste contexto os Bispos querem testemunhar a bondade e a seriedade que em grande parte inspiram o ethos profundo das pessoas, das famílias, de muitas instituições.

"A Itália -  disse o presidente da CEI - não é um pântano lamacento onde tudo é insídia, suspeita, fraude e corrupção!"

O cardeal Bagnasco convidou a todos para reagir diante de uma visão exasperada e preocupada que gostaria de aumentar a confusão geral e levar-nos a não confiar mais em ninguém.

"Não devemos ceder – disse ele – a este desígnio demoníaco que lacera, desencoraja e divide”.

O arcebispo de Gênova explicou que apesar de exemplos e condutas desonestas, que aproveitam do dinheiro, do poder, da confiança das pessoas, até mesmo da fraqueza e dos medos: “nada deve roubar-nos a esperança nas nossas forças se a colocarmos juntas com sinceridade. Especialmente porque o Senhor veio à terra para estar conosco!”

O Presidente da CEI, portanto, lançou um apelo para que a voz dos sem voz, que se eleva de todas as partes do País, “encontre respostas mais eficazes em cada área de responsabilidade”.

E acrescentou : "Não é admissível que os jovens – que são o amanhã da Nação – encontrem a vida bloqueada porque não encontrem emprego: eles se viram, sempre mais se adaptam, mantém medianamente a confiança e a vontade de não desistir apesar dos exemplos nem sempre edificantes”.

Embora apreciando que a nível público se vêem esforços e tentativas, sinais promissores, o purpurado disse que “os meses e os anos não esperam ninguém”.

"Está bem a reforma do Estado – continuou – mas esperamos que isso não vá em prejuízo do que a gente sente mais na própria pele, ou seja, o drama do trabalho”.

O cardeal Bagnasco também falou sobre a questão das prisões, afirmando que "o sistema prisional é sinal da civilização jurídica e não somente de um País” recordando que a Igreja católica está presente cada dia junto aos detidos por meio dos Capelães e dos voluntários, e encorajando todos os que cumprem uma pena a fazer deste tempo “uma ocasião de reflexão e de recuperação para lidar com o reingresso na sociedade”.

Para o purpurado a pessoa tem necessidade de trabalho para ter dignidade e sustento, mas também necessidade de laços seguros e estáveis, precisa constituir uma família. E também a sociedade precisa de um trabalho e de família: senão, que sociedade seria?

Por esta sua íntima natureza a família – concluiu o cardeal – deve ser apoiada por políticas mais fortes e eficazes, mesmo em ordem à natalidade, defesa das tentativas de enfraquecimento e promovidas a nível cultural e midiático sem discriminações ideológicas”.

Trad. T.S.