O card. Filoni em Portugal para "reavivar o espírito missionário" da Diocese de Funchal

O prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos enviado especial do Papa para as celebrações do quinto centenário da fundação

Roma, (Zenit.org) Redacao | 400 visitas

"Reavivar o espírito missionário" que distingue significativamente a Diocese de Funchal "desde o início de sua criação", é a meta que o Cardeal Fernando Filoni deixou à comunidade católica do arquipélago português de Madeira, onde, na tarde do domingo, 15 de junho, presidiu, como enviado especial do Papa Francisco, as celebrações conclusivas do quinto centenário da fundação.

L'Osservatore Romano informou também que o prefeito da Congregação para a evangelização dos povos celebrou a Missa na solenidade da Santíssima Trindade, na presença do Ordinário local, Mons. Antônio José Cavaco Carrilho, do núncio apostólico em Portugal, o arcebispo Rino Passigato, e de muitos sacerdotes, religiosos e leigos.

"Como o amor trinitário de Deus, também o amor eclesial deve sair de si mesmo e doar-se aos outros”, exortou o cardeal Filoni na sua homilia. “Em primeiro lugar – acrescentou – à todos aqueles que não conhecem o amor de Deus, ou estão distantes dele, ou não se sentem humanamente dignos de serem amados, porque se sentem pecadores. Este é o programa e o compromisso ao qual Jesus chama hoje a Igreja de Funchal".

Fundada pelo Papa Leão X em 1514 e logo depois elevada à arquidiocese, a diocese tornou-se rapidamente muito extensa, incluindo também o território brasileiro. O Papa Francisco tocou esse tema na carta com a qual nomeou o purpurado o seu enviado especial nas celebrações do 13-16 de junho, que constituíram o momento  clímax da assembleia diocesana jubilar convocada no estádio dos Barreiros no final do triênio pastoral 2011-2013, tudo dirigido à preparação do evento.

O prefeito de Propaganda Fide lembrou estas iniciativas em sua homilia – destaca ainda o jornal do Vaticano – como que direcionado a revitalizar as raízes missionárias de Funchal, com o objetivo de construir "comunidades cristãs vivas". Para o Santo Padre, este aspecto da missionariedade da Igreja, “é muito querido” – disse o cardeal -; O Papa Francisco “a faz objeto de reflexões e de incentivo contínuo”. A ação e a história da diocese de Funchal estão, portanto, "de acordo com a visão do Papa sobre a Igreja de hoje", projetando a sua "vida em uma nova dinâmica".

Por fim, o prefeito do Dicastério missionário expressou sua gratidão à Igreja local "por ter ajudado e apoiado milhares de missionários que passaram por estas ilhas, antes do grande salto, com os navios da época, à América, à África e à Ásia”. Atualizando o discurso, exortou, portanto, a comunidade católica a “um testemunho coerente em uma sociedade multicultural em crise de valores morais e espirituais, caracterizada pelo fenômeno das migrações e do turismo". O primeiro ambiente social em que é necessário reavivar a fé - concluiu - é precisamente a família, a fim de contrariar a tendência atual de enfraquecê-la. (Trad.TS)