O cristão é uma pessoa que pensa e age segundo Deus, segundo o Espírito Santo

Catequese do Papa Francisco na Audiência Geral da quarta-feira.

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 1421 visitas

O Santo Padre Francisco, na manhã desta quarta-feira, com a Praça de São Pedro repleta de fiéis e peregrinos de todo o mundo, deu a sua catequese semanal. Retomando o tema das catequeses sobre o Ano da fé, hoje o Papa falou sobre o Espírito Santo. Publicamos a seguir o texto integral das suas palavras:

***

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O tempo Pascal que estamos vivendo com alegria, guiados pela liturgia da Igreja, é por excelência o tempo do Espírito Santo dado "sem medida" (cf. Jo 3:34) por Jesus crucificado e ressuscitado. Este tempo de graça acaba com a festa de Pentecostes, quando a Igreja revive a efusão do Espírito Santo sobre Maria e os Apóstolos reunidos em oração no Cenáculo.

Mas quem é o Espírito Santo? No Credo professamos com fé: "Creio no Espírito Santo, que é Senhor e dá a vida". A primeira verdade a qual aderimos no Credo é que o Espírito Santo é Kyrios, Senhor. Isto significa que Ele é verdadeiramente Deus, como o é o Pai e o Filho, objeto, de nossa parte, do mesmo ato de adoração e de glorificação que dirigimos ao Pai e ao Filho. O Espírito Santo, de fato, é a terceira Pessoa da Santíssima Trindade; é o grande dom do Cristo Ressuscitado que abre a nossa mente e o nosso coração à fé em Jesus como o Filho enviado do Pai e que nos guia à amizade, à comunhão com Deus.

Mas gostaria de focar sobretudo no fato de que o Espírito Santo é a fonte inesgotável da vida de Deus em nós. O homem de todos os tempos e de todos os lugares deseja uma vida plena e bela, justa e boa, uma vida que não seja ameaçada pela morte, mas que possa amadurecer e crescer até à sua plenitude. O homem é como um viajante que, atravessando os desertos da vida, tem sede de uma água viva, jorrando e fresca, capaz de saciar em profundidade o seu desejo profundo de luz, de amor, de beleza e de paz. Todos sentimos este desejo! E Jesus nos dá esta água viva: essa é o Espírito Santo, que procede do Pai e que Jesus derrama em nossos corações. "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância", nos diz Jesus (Jo 10,10).

Jesus prometeu à Samaritana dar uma “água viva”, em abundância e para sempre, a todos aqueles que o reconhecem como o Filho enviado pelo Pai para salvar-nos (cf. Jo 4, 5-26; 3, 17). Jesus veio para nos dar esta "água viva" que é o Espírito Santo, para que a nossa vida seja guiada por Deus, seja animada por Deus, seja alimentada por Deus. Quando nós dizemos que o cristão é um homem espiritual queremos dizer exatamente isso: o cristão é uma pessoa que pensa e age segundo Deus, segundo o Espírito Santo. Mas, me pergunto: e nós, pensamos segundo Deus? Agimos segundo Deus? Ou nos deixamos guiar por tantas outras cosias que não são realmente Deus? Cada um de nós deve responder a isso no profundo do seu coração.

Neste ponto, podemos perguntar-nos: por que esta água pode extinguir a nossa sede até o final? Sabemos que a água é essencial para a vida; sem água morremos; ela sacia, lava, fecunda a terra. Na Epístola aos Romanos encontramos esta expressão: "o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado" (5, 5). A "água viva", o Espírito Santo, dom do Ressuscitado que vem habitar em nós, nos purifica, nos ilumina, nos renova, nos transforma porque nos faz participantes da própria vida de Deus que é Amor. Por isso, o Apóstolo Paulo afirma que a vida do cristão é animada pelo Espírito e pelos seus frutos, que são “amor, alegria, paz, magnanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio" (Gl 5, 22 -23). O Espírito Santo nos conduz para a vida divina como "filhos no Filho Unigênito”. Em outro trecho da Carta aos Romanos, que já mencionamos várias vezes, São Paulo o sintetiza com estas palavras: “Todos aqueles que são guiados pelo Espírito Deus, são filhos de Deus. E vocês... receberam o Espírito que faz filhos adotivos, por meio do qual clamamos: “Aba, Pai”!. O Espírito mesmo, junto com o nosso espírito, testemunha que somos filhos de Deus. E se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus, co-herdeiros com Cristo, se realmente participamos do seu sofrimento para participar também da sua glória” (8, 14-17). Este é o dom precioso que o Espírito Santo coloca em nossos corações: a própria vida de Deus, vida de verdadeiros filhos, uma relação de confidência, de liberdade e de confiança no amor e na misericórdia de Deus, que tem como efeito também um novo olhar para os outros, próximos ou distantes, vistos sempre como irmãos e irmãs em Jesus que merecem respeito e amor. O Espírito Santo nos ensina a olhar com os olhos de Cristo, a viver a vida como a viveu Cristo, a compreender a vida como a compreendeu Cristo. Eis porque a água viva que é o Espírito Santo sacia a nossa vida, porque nos diz que somos amados por Deus como filhos, que podemos amar a Deus como filhos de Deus, como Jesus. E nós, escutamos o Espírito Santo? Diz: Deus te ama. Nos diz isso. Deus te ama, Deus te quer bem. Nós amamos verdadeiramente a Deus e aos demais, como Jesus? Deixemo-nos guiar pelo Espírito Santo, deixemos que Ele nos fale ao coração e nos diga isso: que Deus é amor, que Deus nos espera, que Deus é o Pai, nos ama como verdadeiro Papai, nos ama verdadeiramente e, isso, o diz somente o Espírito Santo ao coração. Sintamos o Espírito Santo, escutemos o Espírito Santo e sigamos adiante por este caminho do amor, da misericórdia e do perdão. Obrigado.

[Traduçao do italiano por Thácio Siqueira]

[Saudação em Português depois da catequese:]

Dirijo uma cordial saudação aos peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente aos numerosos trabalhadores católicos do «Clube do Milhão». Agradeço a vossa presença e encorajo-vos a continuar a dar o vosso fiel testemunho cristão na sociedade. Uma saudação fraterna dirijo ainda ao grupo de sacerdotes do Rio de Janeiro, com as minhas felicitações pelo seu aniversário de Ordenação. A vós e a todos, eu digo: Deixai-vos guiar pelo Espírito Santo para crescerdes repletos dos seus frutos. De bom grado abençoo a vós e aos vossos entes queridos.