O cuidado com os lugares sagrados e com seus objetos também é um modo de evangelizar

Entrevista com Pe. Valdir dos Santos, SCJ, autor do livro "Organizar sua Sacristia"

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1111 visitas

“O Pequeno Sagrado” - é o que significa sacristia - trata-se de um dos lugares do templo que mais precisa de cuidado e atenção, pelo valor sagrado que o envolve, e que, infelizmente, acaba sendo um dos lugares menos valorizados nas nossas igrejas.

Como resposta a essa necessidade e devido à sua grande experiência na missão de sacristão, Pe. Valdir dos Santos, SCJ lançou um novo livro Organizar sua Sacristia,por Edições Loyola.

A obra é dividida em doze capítulos e quatro partes importantes: na primeira, o autor reflete sobre o local da sacristia e seus objetos importantes, entre outros; na segunda trata da formação do(a) sacristão(ã); a terceira é dedicada a alguns assuntos litúrgicos importantes; na quarta parte é apresentado um pequeno vocabulário com as principais palavras que um(a) sacristão(ã) deve saber.

Pe. Valdir dos Santos, SCJ, é sacerdote, religioso da Congregação do Sagrado Coração de Jesus (Dehonianos), e mestre em Direito Canônico pela Pontifícia Università Lateranense (Roma – Itália). Aprofundou-se em Teologia da Vida Consagrada, pelo Instituto Claretianum (Roma – Itália). No Brasil, participou de vários cursos e formações sobre Liturgia. Atualmente, é administrador paroquial em Cruz de Rebouças (Igarassu – PE), colaborador no Tribunal Eclesiástico Regional Nordeste 2, como defensor do Vínculo, e professor de Direito Canônico nos Seminários Arquidiocesano da Paraíba e Diocesano de Campina Grande e na Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP).

Em entrevista à ZENIT Pe. Valdir fala um pouco mais da sua obra, que foi lançada nesse dia 20 de maio na Paulus de Recife.

***

ZENIT: No geral, em certos ambientes, falar de sacristia é motivo de chacota e de velhas piadas. Em outros ambientes, a expressão “sair das sacristias” tornou-se até mesmo sinônimo de sair para evangelizar. Por que um livro sobre a sacristia? 

Pe. Valdir: Meu Fundador Padre Dehon já falava em "sair das sacristias" no século XIX. Comento sobre isso ao final do livro. Creio que essa expressão como tantas outras foram mal interpretadas e incompreendidas. É sabido que evangelizar é absolutamente necessário, pois a missão da Igreja é anunciar Cristo. No entanto, isso não pode ser sinônimo de abandono dos lugares e templos sagrados. É o que pude constatar ao longo desses anos de sacerdócio. O cuidado com os lugares sagrados e com seus objetos também é um modo de evangelizar. A sacristia é um local onde muitas pessoas vão pedir bênçãos para si, para suas famílias, para seus objetos etc. Ali também entram em contato com o sagrado. Como explico no livro a palavra sacristia significa "pequeno sagrado", ou seja, extensão do santuário.

ZENIT: Não é falta de caridade comprar objetos litúrgicos caros?

Pe. Valdir: Também trato esse tema no livro: os objetos litúrgicos. A Liturgia deve ser pensada e celebrada com toda dignidade e reverência. Os custos e a aquisição dos objetos vão de acordo com as possibilidades de cada comunidade cristã. O que proponho no livro é mostrar a importância da Liturgia bem celebrada e vivida, tendo presente que isso passa primeiramente pela sacristia com toda sua mística própria e peculiar.

ZENIT: E a limpeza e a ordem da sacristia?

Pe. Valdir: É outro ponto importante que escrevo no livro. Em muitos lugares a sacristia se tornou lugar de depósito. Isso traz como consequência a falta de limpeza, a falta de higiene e a desordem. Esses elementos entre outros faz com que não tenhamos o devido respeito e valorização por esse local. No meu entendimento essa atitude contagia negativamente todo o espaço sagrado.

ZENIT: Então a sacristia seria um local de preparação para a celebração do mistério?

Pe. Valdir: Seguramente sim. Uma sacristia organizada ajuda em todos os sentidos numa devida preparação para a ação litúrgica. Desde a preparação dos objetos sagrados quanto das pessoas envolvidas diretamente na celebração.

ZENIT: Aconselha-se o silêncio na sacristia? Ou é o melhor local para contar o dinheiro da coleta, conversar com o padre, se confessar?

Pe. Valdir: O tema do silêncio é tratado em vários momentos do livro. Sacristia não é local para conversas desmedidas nem confessionário ou qualquer outro tipo de reunião. Existem os lugares próprios para isso. Infelizmente, muitas vezes esses locais não são contemplados ou pensados no projeto de construção. Daí, para remediar uma situação a sacristia é transformada em um monte de coisas, menos naquilo que lhe é realmente próprio, pequeno sagrado.

ZENIT: Você se baseia em algum documento da Igreja?

Pe. Valdir: Somente para ilustrar recordo os documentos conciliares, a Instrução Geral do Missal Romano dentre outros. Suas diretrizes e orientações pressupõem a existência do espaço com sua devida organização, embora quase não tratem diretamente sobre o assunto do livro.