O homem de hoje precisa da música

Entrevista com o cardeal Ravasi no programa de rádio "Ecclesia in Urbe"por ocasião do encontro "Em Diálogo: Fé e Música" com o maestro Riccardo Muti

| 1283 visitas

ROMA, sábado, 2 de junho, 2012 (ZENIT.org) - "A criação é um evento sonoro. A criação é harmonia. E a harmonia se expressa através de uma forma musical".

Esta é a maneira de expressar a importância da música, segundo o Cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, entrevistado no programa de rádio Ecclesia in Urbe, que vai ao ar toda quinta-feira na Rádio Vaticano.

A música é uma linguagem universal que leva à descoberta da fé, disse o cardeal. A relação entre essas duas realidades está enraizada nas brumas do tempo, quando, como relatado no livro de Provérbios, "dançando e cantando Deus criou a harmonia do universo”.

Exatamente nesta relação antiga, mas sempre nova, o cardeal Ravasi concentrará o diálogo com o maestro Riccardo Muti, de renome internacional, que será realizado segunda-feira, 4 de junho, na Basílica de Santa Mariaem Ara Coeli, em Roma, às 19:30, intitulado "Em Diálogo: Fé e música".

Este é o evento final da série de encontros do projeto "Una porta verso L`infinito", organizado pelo departamento de comunicação social do Vicariato em colaboração com o Conselho Pontifício para a Cultura, que, desde dezembro, tem enriquecido a capital com iniciativas que realçam o esplêndido papel da arte como instrumento para levar o homem a Deus.

“Sou ligado a Muti a partir de uma profunda amizade e conheço bem a sua sensibilidade – disse o cardeal em entrevista à rádio. Com ele, muitas vezes refletimos sobre a necessidade de tecer a busca musical contemporânea com as novas formas de expressão, as novas linguagens, as novas gramáticas musicais".

Tomando como sugestão esta "simbiose", o diálogo entre a fé e a música pode e deve continuar ainda no mundo contemporâneo, exortou o cardeal. "Deve sempre ecoar as palavras do Salmo 47 que diz: "Cantai a Deus com a arte", afirmou. Uma expressão, difícil de decifrar, que significa adaptar-se para interceptar a evolução da música, do canto, da cultura em geral".

Isto, disse Ravasi, é explicado pelo fato de que, por um lado, "a liturgia tem o seu sentido canônico, seu horizonte sagrado, sua numen”; por outro lado, liturgia significa "obra de um povo e o povo tem a sua linguagem, sua cultura que se desenvolve.

Recordou, então, as palavras de Shakespeare, quando ele escreveu: "Cuidado com o homem que não ama a música. “Ele é como uma noite na caverna, onde as víboras se escondem”. O cardeal disse que “o homem de hoje precisa da música”.

A música, acrescentou, "tem uma dimensão de harmonia, de redenção, de perfeição - é apolíneo, como dizia a grande cultura grega – e pode ao mesmo tempo inquietar, perturbar: o aspecto dionisíaco".

É um "paradoxo que existe até hoje", afirmou Ravasi: a música, na verdade, é "uma das linguagens fundamentais de comunicação, especialmente para os jovens, mas às vezes tem uma dimensão interna de estupor o pensamento".

Quando se torna "exasperado", explicou o cardeal, esta "pode representar também o drama da juventude de hoje e de todos aqueles que têm uma meta a alcançar." Neste sentido, concluiu, podemos dizer que a música é "necessária" porque "registra o bem e o mal, que são a massa da história da humanidade”.