O impacto social do jogo

Recente estudo norte-americano revela com mais clareza os efeitos negativos

Roma, (Zenit.org) John Flynn, LC | 525 visitas

Os jogos de azar em cassinos estão se tornando cada vez mais populares entre os norte-americanos e vêm causando inúmeros problemas, como, por exemplo, o aumento da desigualdade econômica.

Esses dados foram apresentados em uma pesquisa publicada na semana passada, intitulada “Por que os cassinos são um problema: trinta e uma provas baseadas nas ciências sociais e da saúde”. A pesquisa é do Conselho de Cassinos dos Estados Unidos, um grupo independente formado por especialistas convocados pelo Instituto de Valores Americanos, cuja sede fica em Nova Iorque.

Até 1990, os únicos cassinos legais no país ficavam em Las Vegas e em Atlantic City. Ao longo das últimas duas décadas, porém, surgiram cassinos em todo o território dos Estados Unidos, cobrindo um total de 23 estados.

O relatório ressalta que também tem havido uma transformação no poder de atração que os cassinos exercem sobre o público. Os cassinos do “velho estilo” dependiam muito dos grandes jogadores que empenhavam somas vultosas ​​nas mesas de jogo. Hoje, os cassinos estão de olho nos jogadores médios e pequenos, que apostam pequenas quantidades de dinheiro em máquinas caça-níqueis e são propensos a voltar a jogar muitas vezes.

Em 1991, havia 184 mil máquinas caça-níqueis nos EUA. Em 2010, elas chegaram a 947.000. Em 2013, entre 62% e 80% da receita dos cassinos proveio das máquinas caça-níqueis.

Os modernos caça-níqueis, diz o dossiê, "são programados para apostas contínuas, rápidas e repetidas". Eles ficam ligados a um computador central que recolhe informações sobre as preferências do jogador e programa cada máquina para um determinado estilo de jogo. "As máquinas são projetadas para fazer os apostadores jogarem mais e perderem mais", diz o relatório.

As pessoas que têm a primeira experiência de jogos de azar nas máquinas caça-níqueis apresentam maiores chances de se tornar dependentes da jogatina. O relatório cita um estudo australiano que demonstra que quase a metade das pessoas que usam as máquinas caça-níqueis revelam sintomas de vício.

O jogo excessivo tem impacto significativo sobre as famílias, prossegue o relatório. Além dos problemas financeiros, os cônjuges dos jogadores correm alto risco de violência doméstica. Jogadores patológicos apresentam alta probabilidade de divórcio ou separação. Os filhos também são afetados e se veem frequentemente privados do direito a férias ou até mesmo a cursar a faculdade.

O relatório admite que há benefícios econômicos de curto prazo para uma comunidade quando um cassino é aberto em seu território. No longo prazo, porém, os custos sociais são significativos, embora difíceis de quantificar.

Um caso especial é o de Atlantic City. Há cerca de 40 anos, quando os cassinos foram autorizados pela primeira vez na cidade, a publicidade os anunciava como um meio para melhorar a situação econômica da região. Hoje, apesar da ajuda do governo, Atlantic City "continua a ser uma cidade economicamente atrasada".

Além disso, se o jogo frequente é incentivado, o resultado é que somas de dinheiro cada vez mais abundantes não são injetadas, mas subtraídas da comunidade, com todos os danos que a economia local sofre em decorrência desse empobrecimento.

Em Atlantic City, por exemplo, havia 242 restaurantes e bares em 1977. Em 1996, o número tinha caído para 142.

Os promotores do cassino, diz o dossiê, afirmam trazer entretenimento para os muitos americanos que gostam de jogos de azar ocasionalmente. Os autores da pesquisa, no entanto, salientam que a receita dos cassinos depende significativamente dos jogadores patológicos.

"As evidências dos estudos científicos sobre a relação entre a receita dos cassino e a problemática dos jogadores patológicos leva à conclusão de que os cassinos lucram de modo desproporcional com esse tipo de pessoas", afirma o relatório.

O dossier cita uma variedade de estimativas obtidas de várias fontes. O percentual de receitas derivadas de jogadores patológicos varia de um terço à metade das receitas totais.

As estimativas vêm de onze estudos, publicados não só nos Estados Unidos, mas também no Canadá e na Austrália.

Um estudo canadense descobriu que os jogadores casuais são 75% do total, mas eles contribuem com apenas 4% do total das receitas dos jogos de azar.

O arcebispo de Toronto, cardeal Thomas Collins, se manifestou recentemente sobre o assunto. Em sua carta pastoral sobre o jogo e os cassinos, ele conta que, durante o seu ministério, tornou-se dolorosamente consciente dos problemas que afetam indivíduos e famílias devido ao jogo patológico.

Os governos são tentados pela perspectiva de lucrar com os impostos do setor. No entanto, o impacto social negativo do aumento do jogo excede significativamente os benefícios de mais dinheiro para os cofres do governo, afirma o cardeal.

O jogo ocasional pode ser uma forma legítima de entretenimento, diz Collins, mas "os indivíduos, governos e organizações de caridade podem se tornar escravos do lucro advindo do jogo, e isso, obviamente, é prejudicial".

"O jogo se baseia essencialmente em uma ilusão: a promoção da fantasia, especialmente sedutora para os mais fracos e desesperados, um jeito fácil de tentar achar uma solução rápida para os problemas financeiros", prossegue o cardeal.

"É uma ilusão cruel e não é sensato que os governos a promovam, muito menos mediate uma extensa publicidade". O lembrete do cardeal é de fundamental importância: o papel do governo se estende para além do equilíbrio fiscal e o bem comum deve ser a maior prioridade.