O Isis diz ter decapitado um jornalista americano: mensagem para Obama

Em vídeo, o carrasco anuncia que outro repórter americano está detido e ameaça os Estados Unidos para impedir invasões

Roma, (Zenit.org) Redacao | 480 visitas

O vídeo está girando o mundo. É mais uma triste ‘colaboração’ que vem dos territórios controlados pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante: a decapitação de um jornalista americano, com anos de jornalismo de guerra para trás, James Foley, que foi sequestrado em 2012 na Síria. O vídeo mostra outro jornalista americano, Steven Joel Sotloff, também sequestrado na Síria. "A vida deste cidadão americano, Obama, depende de suas próximas decisões", ameaça o terrorista no vídeo.

Em seguida, em outra passagem do filme lê-se: "Obama autorizou operações militares contra o Estado islâmico colocando a América sobre um piso escorregadio em direção a uma nova frente de guerra contra os muçulmanos". A mensagem ecoou pelas palavras pronunciadas (com um forte sotaque britânico) do terrorista que corta a garganta do homem. "Este é James Foley, um cidadão americano - diz o homem todo vestido de preto e com o rosto coberto - Seus ataques causaram perda e morte entre os muçulmanos ... vocês não lutam mais contra uma revolta, somos um estado, que foi aceito por um grande número de muçulmanos em todo o mundo. Portanto, qualquer agressão contra nós, é uma agressão contra os muçulmanos e qualquer tentativa de sua parte, Obama, de nos atacar, irá resultar em um banho de sangue entre o seu povo".

Enquanto a Casa Branca trabalha para verificar a autenticidade do vídeo, chega ao Iraque o presidente do Conselho italiano Matteo Renzi. Em Bagdá deve se reunir com o presidente cessante, Nouri Al Maliki. De acordo com Renzi quem pensa que a União Europeia ‘dá as costas’ aos massacres, preocupados apenas com o spread, ou confundiu a previsão ou errou. O primeiro ministro informa que hoje chega o sexto avião da Itália para ajuda humanitária ao Iraque.