O jesuíta Jacint Alegre Pujals, declarado "venerável" pelo Papa Francisco

O padre catalão Jacint Alegre Pujals, impulsionou o Cottolengo, instituição que atende doentes terminais

Roma, (Zenit.org) Redacao | 306 visitas

O Papa Francisco reconheceu as "virtudes heróicas", primeiro passo para a santidade, do jesuíta catalão Jacint Alegre Pujals, que impulsionou o Cottolengo do padre Alegre, uma instituição religiosa que atende doentes terminais que, por causa da sua situação de pobreza, não podem ser atendidos em outros centros.

O anúncio foi feito depois do encontro do Papa com o cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, no sábado 10 de Maio. Dessa forma, a partir de agora o padre Jacinto Alegre recebe o título de “venerável” e dá um passo a mais rumo à beatificação.

O padre Alegre nasceu em Terrassa no dia 24 de dezembro de 1874 e morreu em Barcelona no dia 10 de dezembro de 1930. Ingressou na Companhia de Jesus em 1892 e recebeu a ordenação sacerdotal em 1907. Foi educador de jovens e também se preocupou da catequese para os trabalhadores. Na biografia apresentada na página web da Congregação, destacam que provavelmente a atividade que marcou a obra fundada sob a sua inspiração foi a de visitador de hospitais, onde se encarregou principalmente dos doentes mais pobres e necessitados, aqueles que ninguém visitava. Era um homem caridoso, que estava disposto a fazer qualquer sacrifício pelos demais.

Sua preocupação e preferência pelos pobres e doentes, se expressou de uma forma mais intensa nos últimos anos da sua vida. Realizou várias peregrinações a Lourdes acompanhando doentes. Entre 1925 e 1930, o seu nome já era bem conhecido e vinham a ele muitas pessoas. Deste interesse pelos mais abandonados e necessitados surgiu a ideia de fundar um hospital ou instituição especial para eles. O resultado desta iniciativa foi o Cottolengo do Padre Alegre.

Mas ele não viu essa obra fundada antes de morrer. O jesuíta Alegre tinha conhecido o hospital de Turím, fundado em 1828 por São José Benito Cottolengo, a "Piccola Casa della Divina Providenza", e queria começar um trabalho semelhante em Barcelona. Por isso expressou este desejo poucas horas antes de morrer. Em julho de 1932, foi inaugurado em Barcelona uma obra de caridade que se transformaria em um incipiente Cottolengo. E, em 1939 nasce a Congregação religiosa das Irmãs Servas de Jesus do Cottolengo do Padre Alegre, que vivem a sua vocação de entrega aos pobres e doentes mais necessitados, confiando na Divina Providência .

O Cottolengo do Padre Alegre, explica o site, “acolhe doentes pobres e incuráveis que não se encaixam em outros hospitais. São atendidos com assistência sanitária, terapia ocupacional, formação cultural e religiosa, bem como atividades de recreação. Religiosas, doentes e colaboradores formam assim uma família que vive confiada ao amor de Deus”. O Cottolengo e todas as suas obras são confiadas à Divina Providência e por isso “não se aceita nenhum capital permanente nem subsídios, mas vive de doações eventuais”. Desta forma, a instituição recebe todo tipo de apoio econômico, roupa, alimentos, livros e assim conseguem desenvolver seu trabalho. Atualmente, a instituição tem casas em 9 cidades do mundo.

(Trad.TS)