O Jrs trabalha para a libertação do padre Alexis Kumar sequestrado no Afeganistão

O diretor Peter Balleis SJ espera que o jesuíta esteja vivo e seja libertado em breve. A atual situação política no Afeganistão, depois da eleição presidencial, pode complicar o processo de libertação

Roma, (Zenit.org) Redacao | 257 visitas

Passou um mês desde que Pe. Alexis Prem Kumar, diretor do Jrs, o Serviço Jesuíta para os Refugiados, no Afeganistão, foi sequestrado por um grupo de homens armados em uma escola patrocinada pela associação em Sohadat. Uma cidade construída pelo governo para famílias de refugiados que retornaram ao país, a 35 quilômetros de Herat, no oeste do Afeganistão.

O Jrs trabalha com grande afinco para garantir a libertação do religioso, conforme relatado pelo Diretor Internacional Peter Balleis. O Jrs está em contato direto com as autoridades afegãs e com o Cônsul Geral da Índia em Herat: "A família do Pe. Prem – diz – está em contato com alguns parlamentares indianos, bem como com o governo de Tamil Nadu, seu estado de origem". Numerosos apelos foram feitos, aumentando os esforços para levar o Jesuíta para casa.

"Este mês - prossegue Balleis - foi doloroso para a família de Prem, para seus companheiros jesuítas de todo o mundo e para todos nós do Jrs. Apesar de não ter tido qualquer contato com ele ou com seus sequestradores, conservamos a esperança. Todas as informações nos fazem acreditar que ele está vivo e ainda está no Afeganistão".

De diferentes partes do mundo chegam manifestações de apoio e orações pelo religioso. "Jesuítas indianos e de outros países ao redor do mundo - informa o diretor internacional -, bem como membros de muitas comunidades religiosas manifestaram preocupação por sua segurança. Estamos particularmente gratos pela ajuda oferecida por várias agências humanitárias desde os primeiros momentos. Os estudantes de Prem e suas famílias em Sohadat rezam todos os dias por sua libertação e aguardam o dia em que irão revê-lo na escola, que será reaberta assim que ele for libertado".

A maior preocupação é com a saúde de Alexis Prem Kumar, no entanto, os irmãos estão confiantes na "força de espírito" e no "calor humano que irá guiá-lo nesta prova." Ao mesmo tempo, os jesuítas do Jrs estão "conscientes de que a atual situação política no Afeganistão, após as eleições presidenciais do mês passado, podem complicar o processo para a sua libertação."

Depois de um breve fechamento ocorrido em junho, o Jrs reabriu a maioria de seus programas de educação, confiando no esforço de colegas afegãos. "Mantemos o compromisso de acompanhar os estudantes afegãos e suas famílias que desejam ter uma educação de qualidade e a reabertura de nossas escolas se dá nesse sentido", afirma Pe. Balleis. E conclui: "Continuamos empenhados em fazer todo o possível para resgatar Pe. Alexis Prem Kumar e esperamos que antes do final do Ramadã quem o sequestrou liberte-o como um presente para a celebração do Eid al-Fitr."

(Trad.:MEM)