O melhor para Deus e o próximo

Reflexões de Dom Alberto Taveira, Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

Belém do Pará, (Zenit.org) Dom Alberto Taveira Corrêa | 443 visitas

Nossa vida é feita de escolhas diárias, que se renovam e se aperfeiçoam de acordo com os valores que norteiam nossos passos. Maria e José foram confrontados com o plano de Deus, para ir atrás de suas indicações. Anjos, sonhos e fatos foram a linguagem usada pelo Eterno Pai para se manifestar àquelas pessoas tão simples quanto profundas em sua profissão de fé. É que faziam parte de uma raça de gente sadiamente teimosa, que não tinha perdido a esperança, qual farol a iluminar os rumos da história. Mas tiveram sempre a magnífica margem de liberdade, para optarem por Deus e por sua vontade. O que impressiona é que nunca regatearam com o Senhor! Antes, deram sempre e cada vez mais o que tinham de melhor!

O tesouro de suas vidas e da humanidade, o Menino Jesus, foi levado ao templo de Jerusalém, para ser apresentado ao Senhor, conforme estava escrito na lei (Lc 2,22-40). Um casal muito simples, levando a oferenda dos pobres, um par de rolas ou dois pombinhos, pode passar despercebido diante de todos, menos de Simeão e Ana, idosos cheios de sabedoria, confiantes nas promessas de Deus, que enxergam longe e veem dentro! Sendo justos e piedosos, trazem a profecia na boca! Identificam a prometida visita de Deus ao seu templo e são capazes de fazer festa pelo homem-menino que chega, cumprindo todas as leis humanas e religiosas, mas sabem que ali está o verdadeiro Menino-Deus! Brotam de seus corações o hino, a profecia e o anúncio, quando Ana se põe a falar do menino “a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém” (Lc 2,38). Ao mesmo tempo, o realismo da fé professada faz com que Simeão anuncie o mistério da dor e da contradição, que cercaria a vida daquela criança e de sua mãe: “Este menino será causa de queda e de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição – uma espada traspassará a tua alma! – e assim serão revelados os pensamentos de muitos corações” (Lc 2, 34-35).

A bênção de Simeão a Maria e José não lhes poupa um futuro cheio de dificuldades e contradições. No entanto, os dois não esmorecem e continuam sua magnífica aventura, que incluiria, ao lado de muitas alegrias, perseguição, fuga para o Egito, discernimento contínuo dos passos a serem dados, trabalho, dificuldades e lutas cotidianas, fidelidade no escondimento de Nazaré, lugar de gente briguenta! No meio de tudo isso, “o menino crescia, tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele” (Lc 2, 40).

Nossa vida não é muito diferente. A escolha do seguimento de Jesus não funciona como uma vacina ou defesa automática frente aos desafios da existência humana. Deus nos concede as graças necessárias, no momento certo, mas não toma conta de nossa vida como se fosse um servo à nossa disposição, ou, quem sabe, um operador de um controle remoto que, à distância, monitorasse todos os nossos passos. E não vale, diante do Deus verdadeiro, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, pretender exigir direitos ou recompensas, inclusive aquelas que hoje as pessoas chamam “sonhos de consumo”. Seu amor é infinito e muito maior do que nossas limitadas pretensões! Não, Deus nos concede o precioso dom da liberdade, permitindo-nos tecer a trama da existência, com uma história pessoal construída em primeira pessoa. Liberdade e responsabilidade!

No uso do precioso dom da liberdade, Deus nos desafia a escolher em primeiro lugar a resposta ao seu amor! Amar a Deus sobre todas as coisas, manter-se fiel a suas promessas, mesmo quando a limitada lógica humana nos conduz a outras direções. Acreditar que Ele é o Senhor da história, malgrado todas as contradições com que convivemos. Fidelidade aos mandamentos, amor à Igreja de Jesus Cristo, na qual se realiza o Reino do Senhor, não buscar atalhos quando o verdadeiro Caminho (Cf. Jo 14,6) se revela diante de nossos olhos! Bonito, sim! Mas, desafiador e difícil! Trata-se de escolher o melhor e não o mais fácil!

Sendo Deus escolhido como Senhor de nossas vidas, sabemos que amá-lo significa cumprir seus mandamentos. Na escolha, amar a Deus passa na frente, mas na sua vontade, o amor ao próximo é o que se pode fazer de melhor, também porque “nós amamos, porque ele nos amou primeiro. Se alguém disser: ‘Amo a Deus’, mas odeia o seu irmão, é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. E este é o mandamento que dele recebemos: quem ama a Deus, ame também seu irmão” (1 Jo 4, 20-21). Sim, a melhor escolha, para nossa realização pessoal e para a realização do plano de Deus é deixar que o próximo passe na frente!

Surge natural a pergunta: “E eu, como é que fico nesta história?” O grande desafio é escolher o melhor e não o mais agradável no momento! Deus não se deixa vencer em generosidade e responde com amor e realização a todos os que entram nesta verdadeira voragem de amor! Na história da humanidade e na vida da Igreja, há uma verdadeira constelação de homens e mulheres que fizeram escolhas diferentes para melhor, que se decidiram a dar a vida, inclusive no martírio, e a testemunhar, uns com os outros, o amor recíproco, com frutos de realização e felicidade para si e para os outros. Priorizar o serviço aos outros, enxergar o bem comum na sociedade, olhar ao redor para ver as iniciativas a serem tomadas, buscar com intensidade o bem das pessoas! Trata-se da revolução silenciosa, da qual participaram Maria e José. E traziam nos braços aquele que pode mudar e efetivamente muda o mundo.

Em todas as Igrejas, neste final de semana se realiza a procissão das velas. Levá-las acesas em nossas mãos significa que desejamos seguir o caminho da virtude, para chegar à luz que não se apaga, Jesus Cristo. Para muitas pessoas, termina o período de férias e se retoma o ritmo de trabalho. Vale a pena aceitar o desafio de iluminar nosso dia a dia com uma luz diferente, com escolhas e prioridades novas, a fim de nosso mundo “velho de guerra” encontre no Menino de Belém, de Jerusalém, de Nazaré ou de todas as nossas vidas sua graça e as forças necessárias para realizar o plano de Deus. Para tanto, cada um de nós escolha hoje o que é melhor!