"O Natal é a festa do canto dos anjos

O Mestre de Cerimônias Papal, Monsenhor Guido Marini exorta a manter vivas as tradições musicais e o presépio

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 433 visitas

Na igreja de Santa Maria in Navicella, mais conhecida como “Igreja Nova”, situada entre o Vaticano e o centro histórico de Roma, no passado 14 de dezembro, o Coro pontifício da Capela Sistina teve um concerto de Natal, que começou com um canto gregoriano e terminou com um Adeste Fidelis, em uma versão que acrescenta uma parte da versão britânica, que entrou no repertório depois de que o coro da Sistina cantou com o coro anglicano de Westminster , em Londres.

Concluído o evento, o Mestre de Cerimônias, monsenhor Guido Marini, dirigiu algumas palavras aos presentes e ao coro dirigido pelo salesiano mons. Massimo Palombella, agradecendo-lhes não só pelo concerto do sábado passado, mas por todo o trabalho feito durante o ano, nas celebrações litúrgicas do Papa.

Olhando para o coro, Monsenhor Marini acrescentou: "Vocês tem esta grande graça e esta grande tarefa de ser de alguma forma o eco do canto dos anjos na liturgia, e agradecemos isso”. Depois exteriorizou este pensamento: “ao mesmo tempo sabemos que não podemos cantar com as nossas vozes como na Capela Sistina e muito menos como os anjos do Natal, mas podemos de alguma forma glorificar com a nossa vida, e na medida em que está em sintonia com o Senhor, a nossa vida se torna um canto de glória”.

"O que desejamos este ano é isso: que depois de ter participado deste concerto e de ter ir ido com o pensamento na gruta de Belém, os anjos que cantam nos ajudem a recordar que a nossa vida é autêntica na medida em que se torna um canto e adere sempre mais à vontade de Deus”, disse.

" Porque o voto mais belo que podemos desejar a quem canta – acrescentou Monsenhor Marini – não é somente que esta experiência do canto possa continuar mas também e especialmente que a sua vida possa ser um canto”.

Após a cerimônia, perguntado por ZENIT sobre a importância de que as famílias se comprometam a armar o presépio e também de organizar algum canto para Jesus Menino, Marini disse: “Acho que seja importante, porque a tradição do presépio, assim como nasceu no coração e na mente de São Francisco, é justamente o desejo de fazer sensível, palpável de alguma forma, o mistério grande do Natal. Em uma forma também muito popular, portanto muito compreensível também a todos. Assim, acho que manter viva esta tradição, consolidá-la, alimentá-la seja muito importante para que se possa realmente ter familiaridade com o coração do mistério do Natal”.

"E, ao mesmo tempo - disse o mestre de cerimônias do Papa – o canto do natal entre as famílias, nesta dimensão popular do canto , é importante porque é um reflexo do canto angelical e, especialmente no Natal, a nossa vida deve ser um canto e o é na medida em que aderimos àquele Deus que se faz criança”.

(TRAD TS)