O papa anuncia que viajará à Albânia no dia 21 de setembro

Depois da oração do ângelus, Francisco pede orações pelo Iraque e pelos seus cidadãos, para "construírem juntos a sua pátria, fazendo dela um modelo de convivência"

Roma, (Zenit.org) Redacao | 312 visitas

Depois do ângelus deste domingo, 15 de junho, na Praça de São Pedro, o papa fez o seguinte pronunciamento:

Queridos irmãos e irmãs,

Estou acompanhando com grande preocupação os acontecimentos destes últimos dias no Iraque. Convido todos vocês a se unirem à minha oração pela querida nação iraquiana, em especial pelas vítimas e por aqueles que mais sofrem as consequências do aumento da violência; pelas muitas pessoas, entre as quais muitos cristãos, que tiveram que abandonar a sua casa.

Espero, para toda a população, a segurança, a paz e um futuro de reconciliação e de justiça, em que todos os iraquianos, seja qual for o seu credo religioso, possam construir juntos a sua pátria, fazendo dela um modelo de convivência.

Rezemos a Maria, todos juntos, pelo povo iraquiano: "Ave, Maria...".

Quero hoje anunciar que, acolhendo o convite dos bispos e das autoridades civis albanesas, irei a Tirana no domingo 21 de setembro. Com esta breve viagem, desejo confirmar na fé a Igreja na Albânia e testemunhar o meu encorajamento a um país que, durante muito tempo, sofreu por causa das ideologias do passado.

E agora saúdo todos vocês, queridos peregrinos presentes hoje: grupos paroquiais, muitos, famílias e associações. Em particular, saúdo os militares da Colômbia, os fiéis vindos de Taiwan e de Hong Kong, de Ávila e La Rioja, na Espanha, de Venado Tuerto, na Argentina, de Cagliari, Albino, Vignola, Lucca e Battipaglia [na Itália].

Saúdo o Movimento Pro Sanctitate, no centenário do nascimento do fundador, o Servo de Deus Guglielmo Giaquinta: queridos amigos, encorajo vocês a levarem adiante com alegria o apostolado da santidade. Saúdo os jovens de Casaleone que receberam a confirmação e os trabalhadores do Grupo IDI Saúde, de Roma.

Um pensamento especial vai hoje para as trabalhadoras domésticas e para as cuidadoras, que procedem de tantas partes do mundo e que desenvolvem um serviço precioso nas famílias, especialmente na ajuda aos idosos e às pessoas que não são autossuficientes. Muitas vezes, não valorizamos com justiça o grande e bom trabalho que elas fazem nas famílias. Muito obrigado a vocês!

A todos desejo um feliz domingo e um bom almoço. E não se esqueçam de rezar por mim. Até breve!