O papa: contra a fome, um rugido capaz de sacudir o mundo

Francisco grava mensagem para apoiar campanha da Caritas Internacional

Roma, (Zenit.org) Redacao | 334 visitas

“Diante do escândalo mundial que é a existência de aproximadamente um bilhão de pessoas que ainda passam fome, não podemos virar a cara para o outro lado e fingir que isso não existe”, afirmou o papa Francisco na mensagem gravada em vídeo para a campanha contra a fome no mundo, promovida pela Caritas Internacional com o slogan “Uma só família humana: alimento para todos”.

Sobre a iniciativa, o papa declarou: “Quero dar todo o meu apoio”. E completou: “Convido todas as instituições do mundo, toda a igreja e cada um de nós, como numa só família humana, a dar voz a todas as pessoas que sofrem silenciosamente a fome, para que essa voz se torne um rugido capaz de sacudir o mundo!”.

“Peço de todo o coração que vocês apoiem a nossa Caritas nesta nobre campanha para agir como uma só família empenhada em garantir o alimento para todos”.

O papa reiterou que “os alimentos à disposição no mundo seriam hoje suficientes para todos” e recordou que, “junto com as suas 164 organizações-membros, a Caritas Internacional está comprometida, em 200 países e territórios do mundo, com um trabalho que faz parte do coração da missão da Igreja”.

“Esta campanha quer ser também um convite para todos nós a ser mais responsáveis no uso dos alimentos. Muitas vezes descartamos alimentos e fazemos mau uso dos recursos à nossa disposição. E é também uma exortação para deixar de pensar que as nossas ações cotidianas não têm impacto na vida de quem passa fome, estejam essas pessoas perto ou longe”.

O papa Francisco destaca ainda “a atenção que a Igreja oferece a todos aqueles que sofrem o escândalo da fome”. Com eles, “nosso Senhor se identificou quando disse: 'Tive fome e me destes de comer'”.

“Quando os apóstolos contaram a Jesus que as pessoas que tinham chegado para escutar as suas palavras estavam famintas, ele os mandou buscar alimentos”. Os apóstolos, “sendo pobres, não encontraram mais do que cinco pães e dois peixes, mas, com a graça de Deus, conseguiram alimentar uma multidão de pessoas e até recolheram as sobras, evitando qualquer descarte”.

O papa acrescentou que “a parábola da multiplicação dos pães e dos peixes nos ensina justamente isto: quando existe vontade, aquilo que temos não termina; até sobra e não deve ser jogado fora”.

“Queridos irmãos e irmãs, eu convido vocês a abrir um espaço dentro do seu coração para esta urgência, respeitando esse direito que foi dado por Deus a todos de ter acesso a uma alimentação adequada”.

“Vamos compartilhar o que temos, em caridade cristã, com quem é obrigado a enfrentar numerosos obstáculos para satisfazer uma necessidade tão primária. Ao mesmo tempo, sejamos promotores de uma autêntica cooperação com os pobres, para que, através dos frutos do trabalho deles e do nosso, eles possam viver uma vida digna”.

Ao encerrar sua mensagem, o santo padre convidou a todos a rezar “para que Deus nos dê a graça de ver um mundo em que ninguém mais morra de fome. E, pedindo esta graça, dou a vocês a minha bênção”.