O papa Francisco envia mensagem por ocasião da Marcha pela Vida - Lima 2014

Uma mãe que pretendia abortar e desistiu graças à marcha do ano passado pediu um minuto de silêncio pelas crianças abortadas e pelas que vão nascer

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 584 visitas

Mais de 250.000 pessoas participaram no último sábado, 22 de março, da edição peruana da Marcha pela Vida, que percorreu as principais ruas de Lima reafirmando publicamente a importância de se defender a vida desde a concepção até a morte natural.

“É necessário descer às ruas. Nós estamos aqui em uma marcha de paz para defender a vida. Somos um povo que ama a vida. Queremos o respeito sem condições pelo direito à vida desde a concepção até a morte natural. Por isso, a minha homenagem é às mulheres, às mães de família, a todos vocês que, hoje, recordando as nossas mães, estão aqui para dizer ‘muito obrigado’ pela vida!”, declarou o cardeal arcebispo de Lima, Juan Luis Cipriani, aos milhares de participantes reunidos no Campo de Marte, conforme as informações do site da arquidiocese de Lima.

A Marcha pela Vida terminou com um show em que foi tocada a música oficial "Temos que marchar”. Entre os testemunhos, chamou especial atenção o de uma jovem que tinha pensado em abortar, mas que, graças ao testemunho da Marcha pela Vida do ano passado, decidiu ter o filho. Ela pediu um minuto de silêncio por todas as crianças abortadas e por todas as que ainda vão nascer.

Em carta enviada pelo Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, o papa Francisco incentivou os participantes da marcha a “se esforçarem decididamente em todas as iniciativas que contribuem para acolher a vida humana desde o primeiro instante, cuidando dela com respeito e com ternura e promovendo-a sempre, já que a vida é o direito básico e fundamental de todo homem e mulher”.

A Marcha pela Vida reuniu na capital do Peru pelo menos 250.000 pessoas, que percorreram as ruas com cartazes e faixas alusivas à vida, camisas polo com o logotipo do evento e aclamações em uníssono para defender o direito à vida. Além da notável presença de universitários e alunos do ensino fundamental e médio, participaram também personalidades da vida pública, do mundo do esporte, da cultura e do entretenimento do país andino.

Também estiveram presentes na Marcha pela Vida pessoas de diversas associações cidadãs e movimentos e confissões religiosas, conforme indicado pela mídia local.