O Papa no Twitter

Mais de 350 mil followers de @pontifex, conta oficial de Bento XVI

| 1222 visitas

Salvatore Cernuzio

CIDADE DO VATICANO,  quarta-feira, 05 de dezembro de 2012(ZENIT.org) - “@pontifex_pt”. Esta é a conta oficial de Bento XVI no Twitter, uma das redes sociais mais difundidas no planeta, que conta com mais de um milhão e meio de pessoas.

O perfil do Santo Padre está pronto para conquistar a todos, considerando que, lançado oficialmente na segunda-feira(03), já conta com mais de 350.000 followers somente na língua inglesa e aumenta a cada atualização também nas outras línguas.

“@pontefix_pt” ainda não enviou nenhum  tweet, o primeiro “envio” do Papa será publicado oficialmente dia 12 de dezembro, festa de Nossa Senhora de Guadalupe e dia da Audiência Geral, quando às 12h, Bento XVI lançará ao vivo a primeira mensagem.

Quase certo é que os primeiros 140 caracteres postados pelo Santo Padre serão extraídos das catequeses, por isso, Inicialmente, os tweets do Papa serão publicados sempre na Audiência Geral de quarta-feira. É possível que posteriormente sejam enviados com mais frequência.

Atualmente os tweets do perfil @pontefix são respostas do Papa às perguntas enviadas por usuários de todo o mundo sobre questões relativas a vida de fé. As perguntas podem ser enviadas até o dia 12 de dezembro para #askpontifex.

Os tweetes serão publicados em inglês e outras 7 línguas: italiano, espanhol, francês, alemão, polonês, árabe e português. Outras serão acrescentadas em breve. A conta oficial é «@pontifex» e para cada língua muda o sufixo final com a sigla do país (por exemplo, para o português: @pontifex_pt, para espanhol: @pontefix_es).

A iniciativa foi apresentada segunda-feira na Sala de Imprensa do Vaticano por Monsenhor Claudio Maria Celli, presidente do Pontifício Conselho para a Comunicação Social, e Greg Burke, Media Advisor da Secretaria de Estado; apoiados pelo mons. Paul Tighe, secretário do Dicastério e Giovanni Maria Vian, diretor do Osservatore Romano.

A presença de Bento XVI no Twitter – destacou Mons. Celli – demonstra “o forte desejo de um Papa, aparentemente não muito “de mídia”, de dialogar com o homem e a mulher de hoje, e encontrá-los onde eles estiverem”. Esta iniciativa é “uma expressão concreta  de sua convicção de que a Igreja deve estar presente  no mundo digital”.

Em várias mensagens pelas Jornadas Mundiais das Comunicações Sociais, Bento XVI fala da necessidade de evangelizar o “continente digital”.  Isto agora ficou mais evidente, disse Celli, afirmando quase profeticamente: "Na essência das breves mensagens, muitas vezes, não maior do que um versículo da Bíblia, pensamentos profundos podem ser expressos se cada um cultivar a própria interioridade".

Os 140 caracteres publicados por @pontifex não será um limite, mas sim "faíscas de verdade" para todos os seus followers. Afinal, disse o bispo, bastam "apenas algumas palavras para dar novo sentido à vida de uma pessoa”.

A presença do Papa no Twitter mais do que uma novidade, pode ser considerado o resultado de um processo de cooperação entre a Igreja e as novas tecnologias, como citado pelo Papa Paulo VI em 1975 quando declarou: "A Igreja se sentiria culpada se não utilizasse o que a tecnologia moderna coloca em suas mãos para anunciar o Evangelho”.

Sobre a questão do envolvimento pessoal do Papa, os relatores informaram que o pontífice "será informado sobre as escolhas das frases" e  que “vai escrever seus discursos levando isto em consideração”.

De qualquer maneira, disse Gregor Burke, "todos os tweets do Papa serão palavras do Papa e ele não terá following, acrescentou o Media advisor.

Quando perguntado sobre por que o Twitter em vez de Facebook, Burke disse que "é mais fácil de gerenciar e permite transmitir rapidamente e com facilidade a mensagem”.

As curtas mensagens do Papa devem suscitar questões em pessoas de diferentes países, línguas e culturas. Este é um "desafio" para a Igreja de hoje: estabelecer uma presença ramificada, que possa efetivamente competir com os debates transmitidos pelas redes sociais, que requer réplicas diretas e pessoais.

Por esta razão, concluíram os porta-vozes, foi decidido lançar a conta Twitter do Papa em formato de perguntas e respostas, como um sinal da "importância que a Igreja atribui à escuta e ao diálogo respeitoso com o homem de hoje e a sua verdade”.

Enquanto isso, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, anunciou outras mudanças na estrutura de comunicação da Santa Sé. Primeiro, o portal News.va, que aumentou o número de línguas e criou "microsites" com eventos do Papa e que, a partir da próxima semana, terá um app para iPhone, como a Rádio Vaticano, que tem o aplicativo para Android .

A presença no YouTube é enriquecida com novos canais em polonês, francês e chinês, e no final do Ano da Fé será lançado um e-book em 6 volumes, um dedicado ao Magistério do Papa e outras atividades da Igreja nos cinco continentes.

(Tradução e adaptação MEM)