O papa pede que os cristãos do Iraque sejam protegidos da violência

O Santo Padre descreve os cristãos como um povo em fuga e reitera a sua solidariedade a quem está sendo despojado de tudo

Roma, (Zenit.org) Redacao | 630 visitas

O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, leu hoje um comunicado em que declara: “O Santo Padre acompanha com viva preocupação as dramáticas notícias que chegam do norte do Iraque e que afetam a população desarmada”. Lombardi leu o texto no final da apresentação à imprensa internacional da viagem do papa Francisco à Coreia do Sul.

O porta-voz vaticano enfatizou que “estão sendo particularmente afetadas as comunidades cristãs: é um povo em fuga dos próprios lares devido à violência que está golpeando e desarticulando a região”.

Lombardi recordou que, “durante a oração do ângelus do último dia 20 de julho, o papa Francisco exclamou com pesar: ‘Os nossos irmãos são perseguidos, expulsos, têm que abandonar as próprias casas sem possibilidade de levar nada consigo. A essas famílias e a essas pessoas eu quero manifestar a minha proximidade e a minha constante oração. Queridos irmãos e irmãs que estão sendo perseguidos: eu sei o que vocês sofrem e sei que estão sendo despojados de tudo. Estou com vocês na fé daquele que venceu o mal!’. Diante desses angustiantes eventos, o Santo Padre renova a sua proximidade espiritual de todos aqueles que estão sofrendo esta dolorosíssima provação e se une aos vívidos apelos dos bispos locais, pedindo, junto com eles e em prol das suas comunidades em tribulação, que se eleve de toda a Igreja uma oração conjunta para invocar do Espírito Santo o dom da paz”.

No comunicado, Lombardi destacou também que “Sua Santidade dirige à comunidade internacional um chamamento do profundo do coração para que se atue de maneira a dar um fim ao drama humanitário que está em andamento, para que sejam protegidos todos os afetados ou ameaçados pela violência e para assegurar as ajudas necessárias, especialmente as mais urgentes a tantos desabrigados, cuja sorte depende da solidariedade dos outros”.

O diretor da Sala de Imprensa encerrou afirmando: “O papa faz um chamado à consciência de todos e repete a cada crente: ‘Que o Deus da Paz suscite em todos um autêntico desejo de diálogo e de reconciliação. A violência não pode ser vencida com a violência. A violência se vence com a paz! Rezemos em silêncio pedindo a paz: todos em silêncio... Maria, Rainha da Paz, rogai por nós’”.