O papa reza pelas vítimas do terremoto na China

Com a retomada das audiências gerais das quartas-feiras, o Santo Padre recorda hoje o seu predecessor Paulo VI por ocasião do aniversário da sua morte

Roma, (Zenit.org) Redacao | 435 visitas

O papa Francisco retomou hoje as audiências gerais das quartas-feiras, depois de um mês de julho em que tinha reduzido as atividades, mas sem tirar férias. Por causa das altas temperaturas deste verão romano, a audiência foi realizada no interior da Sala Paulo VI. Poucos minutos antes das 10h da manhã, Francisco chegou ao átrio da sala e entrou cumprimentando os fiéis, procedentes de várias partes do mundo, com seus cartazes, faixas e bandeiras. Milhares de câmeras e tablets imortalizavam o momento da passagem do pontífice argentino. Alguns dos fiéis presentes se aproximavam dele para fazer “selfies”.

Durante a audiência, o Santo Padre manifestou a sua solidariedade à população da província de Yunnan, na China, atingida no domingo passado por um terremoto que deixou numerosas vítimas e grandes danos materiais. "Rezo pelas vítimas fatais e pelas suas famílias, pelos feridos e pelos que perderam as suas casas. Que nosso Senhor lhes dê consolação, esperança e apoio nesta provação", desejou o papa.

Francisco também dedicou algumas palavras ao venerável servo de Deus Paulo VI, no aniversário da sua morte, em 6 de agosto de 1978: "Nós o recordamos com afeto e com admiração, considerando como ele viveu totalmente dedicado ao serviço da Igreja, que amou com todo o seu ser. Que o seu exemplo de fiel servidor de Cristo e do Evangelho seja de encorajamento e de estímulo para todos nós".

Depois, durante a saudação aos peregrinos de língua árabe, o papa pediu novamente que todos rezem muito pela paz no Oriente Médio.

Retomando as catequeses semanais, hoje o pontífice refletiu sobre a aliança de Deus com o seu povo. No resumo, o papa declarou: "Queridos irmãos e irmãs, na catequese de hoje nós contemplamos a Igreja como novo Povo de Deus, que se funda sobre a nova Aliança selada com o sangue de Jesus. A figura de João, o Batista, é muito significativa porque prepara o povo para receber o Senhor. Desta maneira, serve como ponte entre a promessa do Antigo Testamento e a plenitude do seu cumprimento no Novo. Na montanha do Sinai, Deus tinha estabelecido uma aliança com Moisés entregando a ele os dez mandamentos. Também Jesus, sobre uma pequena colina, entrega aos seus discípulos um ensinamento novo, que começa com as bem-aventuranças. Elas são como o retrato de Jesus, a sua forma de vida e o caminho da felicidade que o coração humano deseja. Além da nova lei, nosso Senhor nos convida a reconhecê-lo nos pobres, nos que sofrem, nos que passam necessidade. Disto seremos julgados no final da nossa vida. A nova aliança consiste precisamente em reconhecer que, graças a Cristo, a misericórdia e a compaixão de Deus nos rodeia".

O papa cumprimentou em seguida os peregrinos procedentes dos países latino-americanos, a quem disse: “Hoje celebramos a festa da Transfiguração do Senhor. Peçamos a Jesus que a sua graça nos transforme de acordo com a sua imagem, para que, vivendo de acordo com o espírito das bem-aventuranças, nós sejamos luz e consolo para os nossos irmãos. Muito obrigado e que Deus os abençoe".

Ao encerrar as saudações em vários idiomas, Francisco dedicou um pensamento especial aos jovens, doentes e recém-casados. "A Festa da Transfiguração do Senhor nos estimule a não perder nunca a esperança e a nos abandonarmos nas mãos do Cristo, que, sem o nosso mérito, nos salvou e nos redimiu", propôs o papa.