O poder de Cristo pode reverter a situação, inclusive no Oriente Médio

Papa celebra missa em Santa Marta com o patriarca Sidrak e reitera apelo pela paz e pela liberdade religiosa

Roma, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 255 visitas

Um sinal de comunhão e de paz: assim foi a missa desta manhã na Domus Sanctae Marthae, concelebrada pelo papa Francisco e pelo patriarca de Alexandria dos coptas católicos, Ibrahim Isaac Sidrak, em manifestação pública de comunhão eclesial com o Sucessor de Pedro. A celebração foi uma oportunidade para renovar o apelo comum em prol da paz e da liberdade religiosa no Oriente Médio, bem como um momento de profunda espiritualidade.

O papa reiterou a sua proximidade aos cristãos do Egito, vítimas de abusos diários, a partir das palavras do profeta Isaías na primeira leitura de hoje: um encorajamento às pessoas "de coração desanimado". É um incentivo, disse o pontífice, "para aqueles que sofrem a insegurança e a violência na sua amada terra egípcia, algumas vezes por causa da sua fé cristã".

Usando mais uma expressão da mesma passagem profética, o pontífice acrescentou: "Coragem, não tenham medo! Estas palavras de conforto se confirmam na solidariedade fraterna". Francisco expressou então a sua gratidão a Deus por este encontro que "abre caminho para fortalecer a nossa esperança e a de vocês, que é a mesma".

Refletindo no Evangelho, o papa destacou que Jesus "vence a paralisia da humanidade (...), a paralisia das consciências, que é contagiosa, e que, com a cumplicidade da pobreza da história e do nosso pecado, pode se espalhar e entrar nas estruturas sociais e nas comunidades até paralisar povos inteiros". Mas o poder de Cristo sacode toda infraestrutura humana. O seu comando, "Levanta-te e anda!", pode reverter a situação, declarou o papa.

“Há esperança, portanto, para a paz na Terra Santa e em todo o Oriente Médio”. Enquanto isso, os cristãos devem oferecer a sua oração confiante a Deus para que essa paz "sempre se reerga das suas recorrentes e às vezes dramáticas interrupções".

A capela viu erguer-se então o apelo vigoroso do bispo de Roma: "Cessem para sempre a inimizade e as divisões! Retomem-se de imediato os acordos de paz, frequentemente paralisados ​​por interesses conflitantes e obscuros! Que haja garantias reais para a liberdade religiosa de todos, junto com o direito dos cristãos de viver em paz no lugar onde nasceram, na pátria que amam como cidadãos há dois mil anos, para contribuir, como sempre, para o bem de todos".

O papa insistiu na esperança e lembrou com ternura que até mesmo Jesus teve que enfrentar a fuga da sua terra natal junto com José e Maria, e que foi justamente a "terra generosa do Egito" que acolheu a Sagrada Família. Francisco pediu a Deus que "vele pelos egípcios, que, pelas estradas do mundo, buscam dignidade e segurança. Vamos em frente, buscando o Senhor, à procura de novos caminhos, novas formas de nos aproximar do Senhor. Que a nossa imaginação criativa da caridade nos leve a isso: a encontrar e abrir caminhos de encontro, caminhos de fraternidade, caminhos de paz".

Por sua vez, o patriarca Sidrak expressou alegria por concelebrar com o Sucessor de Pedro e destacou que a Igreja no Egito, neste momento histórico delicado, "precisa do apoio paternal do papa”. Sidrak também invocou o dom da paz e rezou para que "a luz do Natal seja a estrela que revela o caminho do amor, da unidade, da reconciliação e da paz": presentes de que "a minha terra tem grande necessidade".

Por fim, o patriarca pediu a bênção do bispo de Roma e lançou o convite: "Esperamos a sua visita ao Egito".