O que há por trás do sucesso da campanha “Católicos, voltem para casa"?

Uma reflexão do seu fundador, Tom Peterson

| 3505 visitas

Por Andrea Kirk Assaf

ROMA, quinta-feira, 6 de Maio de 2010 (ZENIT.org). Graças à campanha Catholics come home, (Católicos, voltem para casa) fundada pelo americano Tom Peterson, mais de 200.000 mil pessoas nos Estados Unidos, entre ateus, ex-católicos e católicos não-praticantes, decidiram voltar ao seio da Igreja para viver e testemunhar a fé católica.

Por meio de publicidade em diferentes canais de televisão nos Estados Unidos e da página de internet http://www.catholicscomehome.org/, também com versão em espanhol, http://www.catolicosregresen.org, dezenas de milhares de pessoas puderam se encontrar com uma mensagem que convida a descobrir a essência do Catolicismo, seu alcance ao longo da história, como também com a felicidade que representa para milhões de crentes ao redor do mundo de viver a fé Católica.

Tom Peterson participou semana passada do VII Seminário Profissional para os Gabinetes de Comunicação da Igreja, realizado na Universidade de Santa Croce, em Roma, no qual falou sobre esta campanha nos Estados Unidos.

A história desta iniciativa

Em conversa com ZENIT, Peterson contou que tudo começou 13 anos atrás quando foi a um retiro espiritual que mudou sua vida. Embora católico praticante, admite que ele teve outras prioridades antes da vivência da fé. Como resolução neste retiro, ele quis freqüentar mais os sacramentos, assistir à Missa diária e tornar-se mais íntimo das Sagradas Escritas.

Então, ele disse que tinha dois sonhos: um com um bebê que estava sendo sufocado com um travesseiro e outro com a promoção de anúncios para a evangelização católica. "Ambos os sonhos puderam agora tornar-se realidade: meios virtuais e nosso apostolado a favor de vida", conta Peterson.

Em 1997, ele recebeu uma ligação da diocese de Phoenix (Arizona): "Disseram-me: O Santo Papa João Paulo II, para a nova evangelização, quis convidar católicos inativos a voltarem à Igreja para o Jubileu. Você poderia nos ajudar?", conta Peterson.

A este chamado respondeu prontamente. Compreendeu que se tratava do sonho tornando-se realidade e do chamado recebido no retiro: "para usar os talentos que Deus me deu, não para meu próprio benefício, mas para a Igreja". Assim começou Catholics come home.

Começaram a colocar no ar os primeiros anúncios de propaganda e, uma semana meia depois, 3.000 pessoas voltaram à Igreja. Deste modo, Peterson percebeu que deveria dedicar mais horas a esta campanha: "criamos um apostolado leigo de tempo integral, dando cumprimento ao Ensino da Igreja", disse a ZENIT.

Procuraram assessores de todos os tipos: "muitos clérigos, peritos em negócios, teólogos leigos, conhecidos autores católicos, famosos, conferencistas que nos aconselharam e nos ajudaram a ficarmos seguros de que nossa publicidade teria algo a ensinar", observou Peterson.

Projetaram, assim, anúncios de três tipos, em que eles promoviam a fé católica deste modo: os chamados Épicos "que mostram a universalidade da Igreja no mundo", disse Peterson; advertências em filmes que "convidam as pessoas a aprofundarem-se na relação com Jesus e que falam da Divina Misericórdia", e outros testemunhos de pessoas que estavam afastadas e voltaram à Igreja Católica.

Uma campanha que muda vidas

São muitas as histórias de pessoas que se converteram ou que se aproximaram da fé católica e das quais Peterson foi testemunha. Em diálogo com ZENIT, compartilhou a história de algumas delas. O primeiro é um jovem chamado Harrison.

"Ele se inscreveu em uma universidade protestante, mas não se aprofundou muito nesta fé; quando visitou nossa página disse: - Isto é exatamente o que eu buscava -. Um ano depois retornou ao Catolicismo e agora se inscreveu na universidade católica Ave Maria, na Flórida", disse o fundador de Católicos, voltem para casa.

Tom Peterson também contou a história de um homem chamado Adrian que mora no Colorado: "Ele nasceu em uma família católica, mas não cresceu nesta fé. Ele deixou a crença e transformou-se em ateu".

"Sua esposa e seus filhos também o eram" disse Peterson. Quando Adrian visitou a página da internet desta campanha, ele quis ver um dos anúncios Épicos. "Ele viu a história, a espiritualidade e os alcances da Igreja Católica e viu que tudo isso fez sentido", assegura Tom. Adrian voltou à Igreja Católica. Sua esposa e seus filhos também se tornaram católicos.

De acordo com as estatísticas, cerca de um milhão de pessoas de 80 países diferentes têm acessado a página desta campanha. "Nós normalmente esperamos que visitem estes anúncios pessoas, por exemplo, da Itália ou Irlanda, porque estes são países católicos, mas nos veem pessoas do Qatar - península arábica - ou de outros países tradicionalmente não-católicos, eu acho isto milagroso", diz Peterson.

Enquanto as mensagens de televisão são transmitidas normalmente durante seis semanas em certa diocese, Peterson contou que, no momento, têm em inglês aproximadamente 25 anúncios diferentes. As campanhas são intensificadas em tempos como Advento, Natal e Quaresma.

"Há muitas discussões das pessoas que, por exemplo, falam nos salões de beleza, nos bares, nos ambientes de trabalho; todo mundo tem que ter visto um dos anúncios de Catholics come home e eles falam disto", diz Peterson.

Quem trabalha tem realizado estudos com grupos focados no impacto destas mensagens: Eles investigam a percepção da Igreja antes e depois de ver o comercial. 76% desses entrevistados acreditam que a mensagem é muito positiva e 53% asseguram que eles considerariam voltar à fé católica depois de ver estes anúncios.

Uma campanha que cresce a cada dia

Assessores e técnicos atualizam constantemente a página da internet. Eles procuram ser mais interativos e implementar uma tecnologia cada vez melhor. Também adaptar e enriquecer os ensinos desta campanha: "Por exemplo, temas sobre a infertilidade, métodos de contracepção, o aborto e a vida, matrimônio e família, anulações matrimoniais, entre outros tópicos", diz Peterson.

Eles também estão trabalhando na implementação da página da internet em espanhol e nas mensagens em polonês. Não só traduzindo o material, mas adaptando-o às respectivas culturas.

Deste modo, Peterson está convencido de vivenciar, cada vez mais, os ensinamentos de João Paulo II na exortação apostólica pós sinodal Christi Fidelis Laici: "Quando nós combinamos o conhecimento e a experiência com os talentos que Deus nos deu em um mundo secular, com a fé e a oração e nos permitindo guiar pelo Espírito Santo, nascem frutos milagrosos como este tipo de apostolado e estes resultados", conclui Peterson.