O sentença final contra Paulo Gabriele é definitiva

Não tendo sido apresentado recurso nos prazos estabelecidos, a pena torna-se executória e o ex-mordomo do Papa volta para a cadeia

| 929 visitas

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 25 de outubro de 2012 (ZENIT.org) – A sentença de condenação contra Paulo Gabriele é agora definitiva. Padre Lombardi, diretor da Sala de imprensa Vaticana o comunicou numa nota.

Não tendo sido apresentado qualquer recurso no prazo dos 20 dias depois da sentença, emitida no dia 6 de outubro passado, por mandato do Presidente do Tribunal, o Promotor de Justiça deu ordem de execução da pena, que será realizada no mesmo dia. Gabriele voltará portanto para a prisão.

O ex-mordomo do papa Bento XVI tinha sido condenado a um ano e meio de prisão por furto agravado de documentos confidenciais do Pontífice e da Cúria Romana.

De acordo com um comunicado da Secretaria de Estado Vaticana, a sentença “coloca um ponto final em uma história triste, que teve consequências muito dolorosas".

"Foi um insulto pessoal ao Santo Padre – Lê-se na nota -; violou-se o direito à privacidade de muitas pessoas que se dirigiram a Ele em virtude de seu cargo; surgiram prejuízos sobre a Santa Sé e diversas das suas intituições; foi colocado obstáculo nas comunicações entre os Bispos do mundo com a Santa Sé e causou escândalo na comunidade dos fieis”.

Além disso, "durante vários meses se perturbou a serenidade da comunidade que trabalha diariamente com o Sucessor de Pedro”. O debate foi realizado “com transparência, equanimidade, no pleno respeito do direito à defesa – acrescenta o comunicado -. O réu foi reconhecido culpado no final de um procedimento judiciário que foi realizado com transparência, equanimidade, no pleno respeito do direito à defesa”.

De acordo com a Secretaria de Estado, o julgamento pôde “verificar os fatos”, apurando que Gabriele implementou o seu “projeto criminoso sem a incitação ou apoio de outros, mas baseando-se em convicções pessoais não aceitáveis”.

As várias teorias da conspiração e de envolvimento de outras pessoas, de acordo com a nota, à luz do julgamento se mostraram infundadas".

Com essa sentença Paolo Gabriele deverá ir para a prisão.

Em relação à medida privativa de liberdade, a Secretaria de Estado refere que “permanece a possibilidade da concessão da graça, que, como lembrado várias vezes, é um ato soberano do Santo Padre”. Essa, porém, “pressupõe razoavelmente o arrependimento do réu e o sincero pedido de perdão ao Sumo Pontífice e a todos aqueles que foram ofendidos injustamente”.

Se comparada com o dano causado, a pena aplicada “é muito boa e justa, e isto pela peculiaridade do sistema jurídico do qual emana”, comenta finalmente a Secretaria de Estado.

(Trad.TS)