O Sínodo com o maior número de participantes

Apresentado hoje o programa da grande assembléia dos bispos sobre a nova evangelização.

| 1317 visitas

Salvatore Cernuzio

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 05 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura" (Marcos 16,15). Com as palavras de Cristo no Evangelho de Marcos, começa um tempo de graça para a Igreja Católica: O Sínodo dos Bispos, que acontece no Vaticano de 7 a28 de outubro.

"Um tempo de Missão da Igreja", como descrito esta manhã pelo arcebispo Nikola Eteroviƒ, Secretário Geral do Sínodo, durante o briefing na Sala de Imprensa da Santa Sé. Ele explicou o significado e o desenvolvimento da XIII Assembléia Geral Ordinária dedicada ao tema "A Nova Evangelização para a transmissão da fé cristã".

A Assembléia conta com o maior número de participantes na história dos Sínodos: 262 Padres Sinodais. Este número, segundo Eteroviƒ, indica o grande interesse dos Padres Sinodais pelo tema escolhido, que “diz respeito não só à Igreja, mas ao mundo inteiro, especialmente aos países mais secularizados”.

Entre os participantes da grande assembléia, 172 foram eleitos pelas Conferências Episcopais e 10 por parte da União dos Superiores Gerais. Três, foram designados pelas Igrejas Católicas Orientais sui iuris; 37 participam ex officio e 40 foram nomeados pelo Papa Bento XVI.

Especificamente, se trata de 6 Patriarcas, 49 Cardeais, 3 Arcebispos Maiores (dos quais um cardeal), 71 Arcebispos, 120 Bispos e 14 Sacerdotes que realizam diversos trabalhos: Chefes do Oriental Igrejas sui iuris, Presidentes das Conferências Episcopais, Chefes de Dicastérios da Cúria Romana, bem como Ordinários e Auxiliares.

No que diz respeito a origem: 103 bispos vêm da Europa, 63 da América, 50 da África, 39 da Ásia e 7 da Oceania .

O Pontífice nomeou no sábado, 22 de outubro 2011, um Relator Geral, na pessoa do Cardeal Dondald William Wuerl, Arcebispo de Washington (EUA), e um Secretário Especial, Mons. Pierre-Marie Carré, Arcebispo de Montpellier (França).

Em 29 de junho de 2012, o Papa Bento XVI nomeou três presidentes Delegados: Cardeal John Tong Hon, Bispo de Hong Kong (China); Cardeal Francisco Robles Ortega, Arcebispo de Guadalajara (México), e o Cardeal Laurent Monsengwo Pasinya, Arcebispo de Kinshasa (República Democrática do Congo).

A Assembléia Sinodal conta com a participação de 45 Especialistas e 49 Auditores, mulheres e homens, a maioria leigos, escolhidos dentre vários especialistas e pessoas envolvidas na evangelização em todos os cinco continentes. Também participarão alguns Delegados Fraternos, que são representantes de 15 Igrejas e Comunidades eclesiais ainda "não em plena comunhão com a Igreja Católica", afirmou Eteroviƒ.

Este é um fato interessante da Assembléia Sinodal que identifica o desejo da Igreja de empenhar-se a favor do diálogo ecumênico. A este respeito, devemos mencionar a presença do Metropolitano Hilarion, encarregado das relações públicas do Patriarcado de Moscou e Sarah Davis, vice-presidente do Conselho Metodista Mundial.

Presença fundamental a do Dr. Rowan Douglas Williams, Arcebispo de Canterbury e Primaz de toda a Inglaterra e da Comunhão Anglicana, que, na Congregação Geral do dia 10 de outubro, se dirigirá à Assembléia para ilustrar do ponto de vista anglicano o desafio da nova evangelização e da transmissão da fé cristã.

Sua Santidade Bartolomeu I, Arcebispo de Constantinopla e Patriarca ecumênico, também será um dos protagonistas dos eventos do Sínodo;ele participará da Santa Missa dia 11 de outubro, que irá inaugurar oficialmente o Ano da Fé, e por ocasião do 50 º aniversário da abertura Concílio Vaticano II. Durante a celebração, onde também participarão 12 Padres do Concílio, o Patriarca irá saudar Bento XVI e todos os fiéis presentes.

Sempre no quadro de uma maior coesão ecumênica, é de notável importância o convite especial que o Papa enviou a 3 personalidades, o Irmão Alois, prior de Taizé (França), o reverendo Vest Lamar, Presidente da American Bible Society(EUA) e, especialmente, o Prêmio Nobel de Medicina Dr. Werner Arber, presidente da Academia Pontifícia das Ciências, que vai falar na sexta-feira (12), sobre a relação entre ciência e fé. Para colaborar com os Padres Sinodais também 32 Assistentes e 30 Tradutores, em um total de mais de 400 participantes.

No programa resultam 23 Congregações gerais de trabalhos e 8 sessões de Círculos menores, cujos membros, divididos por línguas oficiais do Sínodo, vão escolher durante a primeira reunião um Moderador e um Relator.

Bento XVI presidirá também quatro celebrações que marcarão os trabalhos sinodais: além do referido 11 de outubro, a missa de abertura e de encerramento do Sínodo, 7 e 28 de outubro, e a canonização de sete Beatos, dia 21 de outubro, na praça de São Pedro.

(Trad.MEM)