Obedecer a Deus antes que aos homens

Reflexões de Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém

Belém do Pará, (Zenit.org) Dom Alberto Taveira Corrêa | 705 visitas

A "barca de Pedro", confiada a ele por amor do próprio Cristo, navega pelos mares da história, mesmo quando estes se mostram agitados (Cf. At 5,27-41; Jo 21,1- 19). Os dias que vivemos revelam a grandeza atraente e contraditória do pluralismo de ideias e comportamentos, deixando muitas vezes confusas nossas mentes. Se de um lado bandeiras descritas como expressões de um estado laico ou da liberdade das pessoas são içadas com força cada dia maior, observamos, com honestidade, que este mesmo estado pode até criminalizar aqueles que desejam assumir comportamentos coerentes com a fé professada, relegando ao nível privado suas convicções, proibindo- lhes fermentar com o bem o ambiente social e cultural. As constituições dos diversos países asseguram direitos iguais, mas parece que alguns grupos da sociedade se consideram "mais iguais", negando justamente a quem tem raízes cristãs a possibilidade de viver coerentemente, considerando seu comportamento conservadorismo e bloqueio ao que chamam progresso da civilização.

Os cristãos entraram em contato com as diversas culturas, corajosos por serem positivamente diferentes, e para melhor! As primeiras perseguições, cujos sinais se encontram nos Atos dos Apóstolos, a chamada "diáspora" - dispersão - fez com que o sangue dos mártires se tornasse semente de cristãos. Passaram as culturas que pretendiam eliminar os que professavam a fé cristã e esta permaneceu. Sucederam-se gerações de cristãos, todos convocados dentre os pecadores e não do meio dos justos, mas suas falhas e pecados não conseguiram acabar com a Igreja de Jesus Cristo.

O século passado, tempo que ainda é nosso, foi dos mais ferozes na perseguição à fé, como constatava o Beato João Paulo II no grande jubileu do ano dois mil. Naquela ocasião, convidou todos os cristãos a tomarem consciência da grandeza do testemunho de homens e mulheres que derramaram o sangue pela fé. E Papa Francisco, numa homilia do dia seis de abril, sobre a coragem para testemunhar a fé, que não se negocia e não se "vende a quem oferece mais", assim se expressou: "Para encontrar os mártires não é necessário visitar as Catacumbas ou o Coliseu; os mártires estão vivos, agora, em muitos países. Os cristãos são perseguidos por causa da fé. Em alguns países não podem usar a Cruz: são punidos se o fazem. Hoje, no século XXI, a nossa Igreja é uma Igreja de mártires".

Ficaremos então imóveis, certos e orgulhosos de que os outros galhos da árvore
cairão e nós seremos os vitoriosos? Sabemos que esta não é a atitude correta, pois
queremos proclamar com a palavra e a vida que Deus ama a todos os seres humanos
de nosso tempo maravilhoso e contraditório, destinatário dos bens da salvação.

Retomei com alegria a Encíclica "Ecclesiam suam", de Paulo VI, encontrando
propostas muito atuais e inspiradoras, que iluminam nosso argumento. Esta é a hora da
Igreja aprofundar a consciência de si mesma, embora saibamos que nunca seu rosto

mostrará toda a sua perfeição, beleza e santidade. Ela tem necessidade de se renovar e
emendar os defeitos. Urge uma profissão de fé vigorosa, convicta e sempre humilde,
semelhante à do cego de nascença: "Creio, Senhor" (Jo 9,38). Ser cristão é viver a
consciência de uma "iluminação" que alumia a vida terrena e torna capaz de dirigir-se,
como filho da luz, à visão de Deus.

A Igreja não pode ficar imóvel e indiferente, pois não está separada do mundo.
Seus membros estão sujeitos à influência do mundo, de que respiram a cultura, leis e
costumes. Se por um lado, a vida cristã, como a Igreja a defende e promove, deve
preservar-se de tudo quanto pode enganá-la, profaná-la e sufocá-la, vencendo o
contágio do erro e do mal, por outro, a vida cristã deve não só adaptar-se às formas do
pensamento e da moral, que o ambiente terreno lhe oferece e impõe, quando forem
compatíveis com as exigências essenciais do seu programa religioso e moral, mas deve
procurar aproximá-las de si, purificá-las, vivificá-las e santificá-las, o que lhe impõe
revisão constante de vida, para dispor o espírito dos cristãos para obedecer a Cristo.
Aqui está o segredo da sua renovação, sua conversão e seu exercício de perfeição,
o "caminho estreito" (cf. Mt 7,13).

Há outra atitude, que a Igreja deve tomar, o seu contato com a humanidade. O
cristão está no mundo sem ser do mundo (Jo 17,15-16), porém distinção não é
separação, indiferença, temor ou desprezo. O tesouro de salvação (Cf. 1 Tm 6,20) é
fonte de interesse e de amor por todos. A guarda e a defesa do patrimônio da fé não
são os únicos deveres da Igreja, mas também a difusão, a oferta, o anúncio: "Ide, pois,
ensinar todos os povos" (Mt 28,19). Este impulso da caridade se chama diálogo, com
que a Igreja se faz palavra, mensagem e colóquio.

O diálogo está no plano de Deus. Religião é enlace entre Deus e o homem, e a
oração o exprime em diálogo. Deus tomou a iniciativa do diálogo! A relação da Igreja
com o mundo, sem excluir outras formas legítimas, se representa pelo diálogo. O
próprio Paulo VI propôs um roteiro para entabular o contato com o mundo. Quem quer
dialogar tem propósito de urbanidade, de estima, de simpatia e bondade, exclui a
condenação prévia e a polêmica ofensiva. Quem dialoga sabe que não pode separar a
própria salvação do interesse pela salvação alheia e anseia por difundir a mensagem
que oferece. O colóquio é arte de comunicação. Para vivê-lo, o diálogo supõe e exige
clareza. Pede também mansidão, aprendida na escola de Cristo (Mt 11,29). O diálogo não
é orgulhoso nem ofensivo. A autoridade lhe vem da verdade que expõe, da caridade
que difunde, do exemplo que propõe; não é comando, não é imposição. O diálogo é
pacífico, evita os modos violentos, é paciente e generoso. Para ser levado adiante
supõe confiança. Produz confidência e amizade, enlaça os espíritos numa adesão ao
bem, que exclui qualquer interesse egoísta.

Enfim, ele é entabulado na prudência pedagógica, que atende às condições de quem ouve (Cf. Mt 7,6), exigindo tomar pulso da sensibilidade alheia e modificarmos nossas pessoas e modos, para não sermos desagradáveis nem incompreensíveis. É na escola do diálogo que se realizará a união da verdade e da caridade, da inteligência e do amor. Esta é uma estrada de obediência ao mandato do Senhor! A cada cristão caberá a tarefa de concretizá-la diante dos desafios atuais.