Olimpíadas: oportunidade de comparar nossa dedicação à causa de Deus

Cardeal Eugênio Sales afirma que o esporte é uma ajuda natural para cultivar a virtude

| 855 visitas

Por Alexandre Ribeiro

RIO DE JANEIRO, terça-feira, 19 de agosto de 2008 (ZENIT.org).- O cardeal Eugênio Sales considera que as Olimpíadas de Pequim são uma oportunidade para os fiéis compararem os esforços dos atletas com sua «dedicação à causa de Deus ou à Igreja de Cristo».

«A propósito das competições como a atual, confrontemos nosso zelo pela santificação pessoal e serviço do Evangelho, com as renúncias alegremente aceitas pelos participantes no particularmente longo período de treinamento», afirma o arcebispo emérito do Rio de Janeiro, em mensagem aos fiéis nestes dias de Jogos na China.

Os atletas «se abstêm de usufruir o que é permitido, para obter melhor preparo físico, embora mais importante seja competir lealmente, que mesmo vencer.»

No entanto, considera Dom Eugênio, «muitos são avaros na doação pronta de sua vontade ante as restrições pedidas pela Lei de Deus e da Igreja».

«Muitas vezes, os que adestram o seu corpo são mais generosos com o esporte do que os atletas da Fé, com a pregação do Evangelho.»

O cardeal afirma que as Olimpíadas são também uma especial ocasião para se aprender uma escala de valores e praticar uma pacífica convivência humana.

«Há regras e penalidades severas impostas igualmente a todos os transgressores. Em um mundo que nega qualquer cerceamento de liberdade, admiramos a presença de jovens que se exercitam na rigorosa obediência às determinações impostas. A paz e a concórdia entre os indivíduos e nações devem ser fruto dessas competições.»

Segundo o arcebispo emérito, as Olimpíadas, «festas de extraordinária repercussão mundial e de bela apresentação artística, promovem não só a alegria, mas também a concórdia entre os povos».

Dom Eugênio recorda que algumas nações em conflito «esquecem-se de suas querelas e se irmanam em torno de sãos propósitos».

«Isso constitui um fator de benéfico entendimento entre elas. A paz é um ideal olímpico. E, ao mesmo tempo que se destacam as qualidades físicas e a capacidade de cada atleta, recordam-nos, ao menos indiretamente, a importância dos valores éticos.»

De acordo com o cardeal Sales, «como o homem é composto de alma e corpo, quando este é exaltado sob aspectos positivos, a outra parte, a espiritual, por ser componente indivisível, é valorizada e estimulada».

«Para obter a energia necessária às duras provas e a indispensável preparação que as precede, é urgente o rigor moral. Libertino algum alcançará sucesso duradouro no ambiente esportivo.»

«Embora não venha a público, a virtude da castidade, firmemente integrada à vida religiosa, é um dos pilares no esforço em busca do êxito nas competições», afirma.

Por outro lado, enfatiza Dom Eugênio, «a tradição cristã sempre considerou o esporte uma ajuda natural para cultivar a virtude».