ONU: Quando a política é distorcida pela ideologia

Stefano Gennarini C- Fam conta como a ideologia contrária à vida e à família natural é capaz de formular e condicionar os documentos das Comissões das Nações Unidas

Roma, (Zenit.org) Junno Arocho | 639 visitas

Tem causado polêmica no âmbito internacional o Relatório do Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança que critica fortemente a Igreja Católica. O que é mais surpreendente é que o Comitê da ONU não se limitou apenas a lançar críticas venenosas, mas pretendeu que a Santa Sé se retire da oposição às políticas abortivas e pare de se opor  aos casamentos e adoções por casais homossexuais. Mons. Silvano Maria Tomasi, Observador permanente da Santa Sé junto aos Departamentos da ONU em Genebra, argumentou que o relatório em questão foi formulado e escrito por pessoas que têm fortes preconceitos contra o Vaticano.

Stefano Gennarini , diretor do Centro de Estudos Legais C- FAM , também está convencido de que o relatório da Comissão tenha sido escrito e utilizado como uma ferramenta contra a Igreja Católica. C- FAM, "Instituto para a família e os Direitos Humanos" com sede em Nova York e Washington, foi fundada em 1990 como resposta ao apelo do Beato João Paulo II para que os católicos estejam presentes em praça pública. Para saber mais detalhes, ZENIT entrevistou Stefano Gennarini.

***

ZENIT: O que é o C- FAM e qual é o papel que desempenha na ONU?

Gennarini: C -FAM está comprometida todos os dias em seguir e aprofundar tudo o que acontece nas Nações Unidas, com particular ênfase para as questões da família e da vida. As informações e entrevistas coletadas são  difundidas por um boletim semanal conhecido como "Friday Fax" (O fax da sexta-feira). Como associação, C- FAM participou dos principais encontros e conferências relativas aos temas sociais, como a Conferência do Cairo do 1994, e é reconhecida junto ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas.

ZENIT: O que você acha das recomendações divulgadas pelo Comitê das Nações Unidas sobre os direitos da Criança?

Gennarini: Eu estou acostumado a ver como os funcionários dos departamentos das Nações Unidas conseguem elaborar documentos extravagantes. Neste caso, estou preocupado com aqueles que irão ler estas observações. É uma pena que o Comitê sobre os Direitos da Criança tenha escolhido tomar esse caminho. Dessa forma, estão minando o trabalho da ONU na promoção e no respeito dos direitos humanos. Com este documento a credibilidade deste departamento foi posta em discussão: agora nenhum país tomará a sério as observações do Comitê, porque é evidente que se trata de um documento politicamente e ideologicamente tendencioso.

ZENIT: Portanto, você não está surpreso por este comportamento?

Gennarini: Realmente não. Há anos existem grupos ideologicamente militantes do aborto e do matrimônio e adoção gay; grupos que são maioria nos departamentos de organismos das Nações Unidas. Estes grupos gozam de generosas doações provenientes dos países do Norte e daqueles europeus. Sua ideologia distorce a realidade, de tal forma que embora nenhum tratado mencione o aborto a orientação sexual e questões semelhantes, eles são capazes de inserir argumentações ideológicas nos documentos oficiais. Inserindo argumentações ideológicas distorcem a interpretação jurídica. É uma pena, porque as indicações dos comitês de vigilância dos departamentos da ONU poderiam desempenhar um papel importante no ajudar os países a fazer respeitar os direitos humanos. Pelo contrário, o debate foi todo dirigido à promoção do aborto e da homossexualidade. Este modo de atuar alimenta o ceticismo daqueles que criticam as Nações Unidas e especialmente o Departamento para a promoção e o respeito dos Direitos Humanos. O ataque contra a Igreja Católica estava no ar. Os partidários de certas ideologias estão sempre tentando manchar a imagem pública da Santa Sé. Para eles, o Vaticano é o inimigo público número um. Não suportam que a Santa Sé se oponha a violações da dignidade humana. Se não fosse o trabalho da delegação vaticana junto às Nações Unidas e da Secretaria de Estado, o aborto e a sodomia poderiam já ter sido declarados como direitos humanos universais. A Santa Sé é a única delegação da ONU que não aceita qualquer ambiguidade sobre questões que afetam a dignidade dos meninos e das meninas. Em geral, as delegações dos diferentes Países não estão dispostas a lutar para defender o nascituro.

ZENIT: Mons. Tomasi, Observador Permanente da Santa Sé na ONU, em Genebra, disse em uma entrevista que o relatório “foi escrito” antes mesmo de que a Santa Sé fizesse a sua apresentação à comissão. É verdade?

Gennarini: É um fato. Mons. Tomasi está simplesmente afirmando o que muitos daqueles que trabalham nas Nações Unidas já sabem. A verdade é que os documentos não são escritos por especialistas que compõem o corpo de monitoramento dos tratados. Esses especialistas não são compensados ​​pelo trabalho que fazem e trabalham sobre estas questões apenas um par de semanas por ano. Quem está realmente no controle desses processos é o pessoal das Nações Unidas e do Departamento do Alto Comissariado para os Direitos Humanos que trabalham em tempo integral em Genebra para preparar relatórios, observações e recomendações. Assim, quando os especialistas reuniram-se com a Santa Sé em janeiro e falaram com Mons. Tomasi , elogiaram o trabalho da Santa Sé para proteger as crianças. E, no entanto, foi tudo inútil, porque os burocratas das Nações Unidas já tinha decidido as suas observações.

ZENIT: Então é verdade o que disse o arcebispo, ou seja, que detrás das observações do Comitê tinha uma boa parte das organizações não governamentais prováveis a favor do casamento gay e do aborto?

Gennarini: Sem dúvida. Os países nas Nações Unidas reclamaram muitas vezes a falta de transparência na forma como os comités de vigilância interagem com as organizações não-governamentais. Muitas vezes, as informações fornecidas pelos países membros são ignoradas e as Comissões se baseiam quase exclusivamente em informações provenientes desses grupos. A mesma Comissão acusou a Santa Sé de provocar as violências contra os homossexuais, condenou a Rússia por ter emanado uma lei que protege os menores de informações que poderiam influenciar negativamente a sua saúde, enganando-lhes que os atos homossexuais são iguais aos de uma relação sexual entre um homem e uma mulher. Grupos homossexuais querem que as suas escolhas sexuais sejam abraçadas por toda a sociedade e por isso a ONU é um outro instrumento para alcançar este objetivo. É uma pena que uma série de organizações que promovem o aborto e o matrimônio gay, os direitos sexuais para as crianças e coisas do tipo tenham conseguido uma tal força dentro dos organismos das Nações Unidas. Estamos falando de organizações fortes e mundialmente respeitadas como Amnesty International e a Comissão Internacional dos juristas e de outros grupos de mais recente formação, como o Centro para os direitos reprodutivos e Human Rights Watch. O que aconteceu nos últimos 30 anos é que muitas organizações para os direitos humanos – cujo objetivo era afirmar direitos civis e políticos durante a Guerra fria – se encontraram sem causa após a queda do Muro de Berlim. Então, concentraram a sua atenção sobre os direitos sexuais. O que eles querem é transformar a autonomia sexual desenfreada em uma norma fundamental dos direitos humanos. O aborto e a homossexualismo são simplesmente as manifestações mais extremas da autonomia sexual desenfreada. Nos países ocidentais, onde esta autonomia sexual ganhou um lugar privilegiado, essas organizações foram financiadas por mais de 20 anos com bilhões de dólares colocados à sua disposição para pagar litígios, educação, lobby e outros projetos para promover as suas causas.

ZENIT: Neste contexto como é que C- FAM atua como uma instituição voltada para os direitos humanos e familiares? Como vocês têm a intenção de reagir a este relatório da ONU?

Gennarini: C -FAM lançou uma petição em apoio da Santa Sé: www.defendthevatican.org . Esperamos apontar aos nossos amigos nas Nações Unidas mais um exemplo de abuso por parte de comitês da ONU. Nos últimos três anos, temos trabalhado em estreita colaboração com os diplomatas na Assembleia Geral das Nações Unidas para reformar os órgãos previstos pelo tratado e permitir-lhes funcionar corretamente no futuro. É importante que estes especialistas tenham em conta este trabalho. É o único modo de garantir que se evite no futuro opiniões extravagantes desse tipo. Até que os especialistas possam interpretar os tratados como quiserem, isso continuará a acontecer. E, naturalmente, continuaremos a tratar esses temas em www.c-fam.org

Tradução de Thácio Siqueira