Oração e adoração, bases de um projeto de “nova evangelização”

Eucaristia e “Sarça ardente” na Conferência da Renovação no Espírito

| 878 visitas

RIMINI, quarta-feira, 3 de novembro de 2004 (ZENIT.org).- A Eucaristia e o projeto de oração e adoração “Sarça Ardente” foram os temas centrais da 28ª Conferência de Animadores da Renovação no Espírito Santo (RnS), celebrada em Rimini (Itália), de 29 de outubro a 1º de novembro.



Participaram do encontro mais de quatro mil responsáveis do movimento católico, provenientes de 1.800 grupos e comunidades de toda Itália.

Em que consiste o projeto “Sarça Ardente” e em que medida a Renovação no Espírito projeta difundi-lo em um mundo que parece cada vez mais secularizado? ZENIT perguntou a Salvador Martinez, coordenador para a Itália da Renovação no Espírito.

«Creio que, neste momento, o Espírito Santo está pedindo à Renovação impulsionar a oração, mais além das necessidades das pessoas, famílias e grupos; a que seja mais plenamente um instrumento em suas mãos para a construção do Reino de Deus», afirma.

«E, de maneira mais profunda, a ser fonte potente de intercessão para a Igreja e o mundo nestes tempos difíceis», acrescenta.

«Estou convencido --sublinha Martinez-- que neste terceiro milênio a fé terá cada vez mais necessidade de apoiar-se em uma espiritualidade carismática, que encontra na presença imprevisível e insubstituível do Espírito sua maior força de incidência».

«Nestes anos experimentamos na Itália, de diversas maneiras, a benção que acompanha a difusão da “Sarça Ardente”: jornadas diocesanas regionais, vigílias, fins de semana, tríduos, semanas de retiro, atravessadas por uma oração nova em seu fervor», explica.

«Desejamos que esta iniciativa, tão ligada à espiritualidade da Renovação e por isso mesmo causa de novo estupor na presença e na ação do Espírito, possa encontrar cada vez mais difusão e promoção como ‘graça do despertar’ da oração no Espírito, patrimônio de toda a Igreja e não só de nosso Movimento», indica.

Com respeito ao pensamento do pontífice sobre este projeto, Martinez recorda que em 29 de maio de 2004 João Paulo II quis celebrar as solenes vésperas de Pentecostes com a Renovação no Espírito Santo e que naquela ocasião, na presença de mais de 20 mil seguidores do Movimento, em sua homilia, dirigiu uma benção especial ao projeto “Sarça Ardente”, augurando que, mediante o mesmo, a Renovação contribua à difusão da espiritualidade de Pentecostes, justamente no ano internacional dedicado à Eucaristia.

«Animo neste sentido a iniciativa denominada ‘Sarça Ardente’, promovida pela Renovação no Espírito --diz Martinez recordando as palavras do Santo Padre--. Trata-se de uma adoração incessante, dia e noite, ante o Santíssimo Sacramento, um convite aos fiéis de ‘voltarem ao Cenáculo’ para que, unidos na contemplação do Mistério eucarístico, intercedam pela plena unidade dos cristãos e pela conversão dos pecadores».

«Desejo de coração que esta iniciativa conduza muitos a redescobrirem os dons do Espírito que têm em Pentecostes seu manancial», disse naquela ocasião o Papa.

Desde 1997, em muitos países do mundo e em especial na Europa, difundiu-se a “visão” da Sarça Ardente que representa, segundo Martinez, «uma autêntica oportunidade para muitas comunidades eclesiais apagadas, fracas na oração, pouco dóceis ao abandono no Espírito Santo».

A Renovação no Espírito publicou um livro sobre este projeto, baseado em um anterior escrito de Kim Collins (“Sarça ardente: uma volta ao Cenáculo na adoração e intercessão”, Edições RnS), que, na Semana Santa de 1997, em Roma, na capela da sede da Renovação no Espírito, sentiu-se tocada pelo Espírito e movida a proclamar a urgência de uma volta ao Cenáculo na adoração e intercessão de toda a Igreja.

«Este livro quer representar um ulterior estímulo e uma ajuda prática a difundir a oportunidade da Sarça Ardente como instrumento da nova evangelização», conclui Martinez.