Orar com insistência, até ser inconvenientes com Deus

Missa na Casa Santa Marta: papa Francisco explica que a oração não é pedir coisas a Deus, mas "negociar" com ele corajosamente, até cansá-lo

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 1006 visitas

Rezem, rezem, rezem. Com coragem, insistentemente, "negociando" com Deus. A exortação do papa Francisco na missa de hoje na Casa Santa Marta é clara: não devemos nos dirigir a Deus com orações “descartáveis”, mas rezar até o ponto de ser inconvenientes com ele. A missa foi concelebrada com mons. Brian Farrell e com o cardeal Kurt Koch, acompanhado por um grupo de sacerdotes e de colaboradores do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

O convite do Santo Padre parte da primeira leitura do dia, Gênesis 18, 16-33, que conta a história de Abraão: com coragem e persistência, ele se volta a Deus para salvar Sodoma da destruição. "Abraão é um bravo e reza com coragem", disse o pontífice; ele "sente a força de falar cara a cara com o Senhor e procura defender a cidade", inclusive com certa obstinação.

Existem diferentes tipos de coragem, explicou o papa: "Quando falamos de coragem, sempre pensamos na coragem apostólica, em ir pregar o evangelho, essas coisas... Mas há também a coragem diante do Senhor: aquela parresia diante do Senhor, de se dirigir a Ele corajosamente para pedir as coisas".

Talvez, acrescentou o Santo Padre, seja algo "um pouco engraçado". O próprio Abraão, na leitura de hoje, "fala com o Senhor de maneira especial", disse o papa, a ponto de às vezes não sabermos se estamos "diante de um homem de oração ou de um comprador fenício, que vai puxando o preço para baixo, pechinchando. Ele insiste: de cinquenta, consegue baixar o preço para dez".

"É engraçado", reiterou o papa, mas "está tudo bem", porque se realça a “atitude teimosa” que é necessária no diálogo com Deus. Às vezes, nós nos voltamos a Ele para "pedir uma coisa para uma pessoa" e acabamos pedindo outra, e outra e mais outra. "Isso não é a oração", disse o papa Francisco. "Se você quer uma graça do Senhor, você tem que pedir com coragem e fazer o que Abraão fez, com insistência".

Jesus nos ensina a orar com essa insistência, contando e reforçando episódios como o da viúva que recorre ao juiz, ou do homem que vai bater à porta do amigo à noite, ou da mulher siro-fenícia que pede repetidamente a cura da filha. Esta insistência "é muito cansativa", disse o papa, mas "esta é a oração, isto é pedir uma graça de Deus". Santa Teresa também "fala da oração como uma negociação com o Senhor", diz Francisco. Isto só é possível quando se tem "a familiaridade com Deus".

Rezar, portanto, "é negociar com Deus, até ser inoportunos com o Senhor", insistiu Bergoglio: é "louvar o Senhor nas suas coisas boas e pedir que Ele dê aquelas coisas lindas a nós. E se Ele é tão misericordioso, tão bom, pedir que nos ajude".

O papa fez um pedido pessoal e espontâneo no fim da homilia: "Eu gostaria que, hoje, todos nós, durante cinco minutos, não precisa mais do que isto, pegássemos a bíblia e, lentamente, rezássemos o Salmo 102: ‘Bendiz o Senhor, ó minha alma! Que tudo o que há em mim bendiga o seu nome! Não te esqueças de todos os seus benefícios. Ele perdoa todas as culpas, sara todas as feridas, salva a tua vida do fosso, te circunda de bondade e de misericórdia...’ ”.

Recitando essas palavras, explicou o Santo Padre, "vamos aprender as coisas que temos que dizer a Deus quando pedimos uma graça: ‘Tu, que és misericordioso, tu que me perdoas,me dáessa graça’, como pediu Abraão, como pediu Moisés". Assim, concluiu Francisco, "vamos em frente na oração, corajosos, com esses ‘argumentos’ que vêm direto do próprio coração de Deus".