Oremos pelas vítimas da loucura da guerra!

Papa Francisco condena a guerra: "suicídio da humanidade, porque mata o coração e mata o amor"

Roma, (Zenit.org) Antonio Gaspari | 501 visitas

"Vamos rezar hoje pelos nossos mortos, pelos nossos feridos, pelas vítimas da loucura que é a guerra! É o suicídio da humanidade, porque ela mata o coração, ela nos mata bem lá onde está a mensagem do Senhor; ela mata o amor! Porque a guerra vem do ódio, da inveja, da vontade de poder, daquele afã de mais poder".

O papa Francisco fez estas afirmações durante a homilia da missa celebrada na capela de Santa Marta, no Vaticano, em presença de cerca de 80 pessoas. O ordinário militar italiano, dom Vincenzo Pelvi, concelebrou a cerimônia. Participavam da missa os familiares, especialmente os pais, de soldados italianos mortos em missões de paz ao longo dos últimos cinco anos, particularmente no Afeganistão. Também estavam presentes alguns soldados que saíram feridos das mesmas missões, acompanhados de parentes, bem como alguns capelães e duas pessoas que coordenam os encontros com os feridos e com as famílias dos soldados mortos. Os encontros são promovidos pelo ordinariato militar para prestar ajuda, em espírito cristão, a fim de aliviar o sofrimento dessas famílias e sobreviventes.

Em total, participaram 55 familiares de 24 soldados que morreram. Os soldados feridos presentes na celebração eram treze. Os participantes provinham de várias regiões italianas. A oração do papa se voltou naturalmente a todos os mortos e feridos pela causa da paz.

De acordo com a Rádio Vaticano, a breve saudação inicial de dom Pelvi explicou que a Itália celebra em 2 de junho o seu Dia Nacional com o objetivo de expressar "uma dívida de amor com a família militar".

Baseando-se no episódio do centurião que pede a cura do seu servo (Lucas 7,1-10), o papa explicou que "o nosso Deus ouve as orações de todos, não como se fossem anônimos, mas as orações de todos e de cada um. Nosso Deus é o Deus do grande e o Deus do pequeno. O nosso Deus é pessoal, escuta a todos com o coração e ama de coração".

A respeito dos conflitos e das guerras, o papa Francisco afirmou que "já vimos muitas vezes que os problemas locais, os problemas econômicos, as crises econômicas, os grandes da terra querem resolver com a guerra. Por quê? Porque o dinheiro é mais importante do que as pessoas para eles! E a guerra é precisamente isto: é um ato de fé no dinheiro, nos ídolos, nos ídolos do ódio, no ídolo que leva a matar o irmão, que leva a matar o amor".

O bispo de Roma recordou as palavras de Deus, que pergunta: "Caim, onde está o teu irmão?". E acrescentou: "Hoje, nós podemos ouvir esta voz: é o nosso Pai Deus que está chorando, chorando por causa desta nossa loucura; que pergunta a todos nós: ‘Onde está o teu irmão?’; que pergunta a todos os poderosos da terra: ‘Onde é que está o vosso irmão? O que foi que fizestes?’".

Neste contexto, Francisco fez um apelo a rezar para Deus pedindo que ele "nos afaste de todo o mal (...), mesmo com lágrimas, com as lágrimas do coração". E sugeriu uma prece: "Volta-te para nós, Senhor, tem piedade de nós, porque estamos tristes, estamos angustiados. Olha para a nossa miséria e para a nossa dor e perdoa-nos todos os nossos pecados”. “Porque por trás de uma guerra estão sempre os pecados: o pecado da idolatria, o pecado da exploração dos homens no altar do poder, o sacrifício das pessoas. Volta-te para nós, Senhor, e tem compaixão, porque estamos tristes e angustiados. Olha para a nossa miséria e para a nossa dor. Estamos certos de que nosso Senhor nos ouvirá e fará tudo para nos dar o espírito de consolação. Que assim seja".

No final da missa, foi recitada a "Oração pela Itália", composta pelo beato João Paulo II em 15 de março de 1994.Depois,como de costume, Francisco cumprimentou uma por uma todas as pessoas presentes na missa, com grande cordialidade e afeto. Todo o encontro durou menos de uma hora e meia. A celebração foi acompanhada pelos cantos do coro da Capela Giulia.

A comunidade eclesial do Ordinariato Militar ofereceu como presente ao papa uma bela peça de artesanato napolitano em terracota, feita pelos artistas Raffaele, Salvatore e Emanuele Scuoto. A imagem, de 50x40 cm, representa São José Operário mostrando as ferramentas de carpinteiro para o Menino Jesus, que segura numa cesta os objetos-símbolo da crucificação: pregos, martelo e alicates.