Os apaixonados buscam novas formas de manifestar seu amor

As manifestações da devoção mariana e a Festa da Imaculada em Roma

| 1340 visitas

Por Márcia Ferreroni

ROMA, quinta-feira, 8 de dezembro de 2011(ZENIT.org) – Ao longo dos tempos as manifestações marianas brotam com originalidade em diversas partes do mundo. Em Roma acontece o tradicional Atto di Venerazzione dell`Immacolata.

***

Na Piazza Mignanelli, próxima a Piazza di Spagna está localizada a estátua que receberá a homenagem de Bento XVI em ocasião da Festa da Imaculada neste dia 08 de dezembro.

Pio IX fez colocar no topo de uma coluna, a estátua da Imaculada Conceição no ano de 1857, poucos anos depois da promulgação do dogma. A coluna que sustenta a estátua, com quase 12 metros de altura, tem um metro e meio de diâmetro e, na ocasião da inauguração, foi levantada por uma corporação de 200 bombeiros. Daqui deriva a tradição, renovada a cada 8 de dezembro, de um bombeiro coroar a imagem.

Esta é uma das inúmeras manifestações da devoção mariana que, ao longo dos tempos e nas mais variadas geografias vão brotando com a originalidade própria do amor: os apaixonados procuram os novos modos de manifestar seu amor.

A devoção mariana fora predita na Sagrada Escritura, nas palavras de Maria a Isabel “todas as gerações me chamarão bem-aventurada” (Lc 1, 48) e se apóia na centralidade de Cristo, nosso único Senhor. Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado (cfr. Hebreus 4, 15), nascido de uma mulher (Gal 4,4). Sendo para nós modelo de tudo, não deixou de amar sua Mãe e honrá-la cada dia (Ex 201,12). Assim que se pode afirmar que Jesus foi o primeiro e o maior devoto de Maria, sua Mãe.

Apenas isto já bastaria para que todos os cristãos nos sentíssemos impelidos a honrar Maria, a Mãe de Jesus. Mas a Sagrada Escritura nos permite ir ainda mais além na nossa devoção mariana. O cristão, que deseja identificar-se com Cristo em tudo, até o ponto de não viver senão a vida de Cristo (Gal 2, 20), pode ser também ele, filho de Maria. Talvez não ousássemos tanto se o próprio Cristo não nos tivesse convidado a fazê-lo quando, ao pé da Cruz, dirigindo-se a nós na pessoa de João (Jo 19, 26-27) nos deu Maria para ser nossa Mãe. Maria, Mãe de Jesus é, então, Nossa Mãe ou como gostamos de dizer Nossa Senhora.

Isto nos dizia o Papa há alguns anos na solenidade de hoje: “Maria não se coloca somente numa relação singular com Cristo, o Filho de Deus que, como homem, quis tornar-se seu filho. Permanecendo totalmente unida a Cristo, Ela pertence também de modo integral a nós. Sim, podemos dizer que Maria está próxima de nós como nenhum outro ser humano, porque Cristo é homem para os homens e todo o seu ser é um "ser para nós". Como Cabeça, dizem os Padres, Cristo é inseparável do seu Corpo que é a Igreja, formando juntamente com ela, por assim dizer, um único sujeito vivo. A Mãe da Cabeça é também a Mãe de toda a Igreja; ela é, por assim dizer, totalmente despojada de si mesma; entregou-se inteiramente a Cristo e, com Ele, é entregue como dom a todos nós. Com efeito, quanto mais a pessoa humana se entrega, tanto mais se encontra a si mesma.” (Homilia do Papa Bento XVI,8 de Dezembro de 2005)

Essa proximidade de Maria com cada um de nós – apoiada em Cristo – é a base de toda devoção mariana e nos leva a apoiar-nos nela, “Mãe de toda a consolação e de toda a ajuda, uma Mãe à qual, em qualquer necessidade, todos podem dirigir-se na própria debilidade e no próprio pecado, porque Ela tudo compreende e para todos constitui a força aberta da bondade criativa” (ibidem).

Os verdadeiros devotos de Maria não só vêem que podem recorrer sempre a Ela, mas sentem-se também eles procurados por Maria, que como Mãe vai ao encontro de cada um dos seus filhos. “É nela que Deus imprime a sua própria imagem, a imagem daquela que vai à procura da ovelha perdida, até às montanhas e até ao meio dos espinhos e das sarças dos pecados deste mundo, deixando-se ferir pela coroa de espinhos destes pecados, para salvar a ovelha e para a reconduzir a casa. Como Mãe que se compadece, Maria é a figura antecipada e o retrato permanente do Filho” (Ibidem).

Todas as devoções marianas – tão variadas quanto variadas são as manifestações do amor dos homens – levam-nos sempre a Cristo, com palavras de São Josemaría cada um de nós pode experimentar que “a Jesus sempre se vai e se “volta” por Maria (Caminho, n.495).