Os Focolares estão de luto pela morte do padre Casimiro Bonetti

Foi o capuchino que acolheu a consagração a Deus de Chiara Lubich, no dia 7 de dezembro de 1943. A presidente Maria Voce: "A providência o ligou aos inícios do Movimento

Roma, (Zenit.org) Redacao | 442 visitas

O Movimento dos Focolares exprime a sua proximidade sincera à Ordem dos Frades Menores Capuchinos pela morte do padre Casimiro Bonetti. Foi o frade que acolheu, no 7 de dezembro de 1943, "a consagração a Deus de Chiara Lubich", como observou Maria Voce, presidente do Movimento .

"A providência de Deus quis ligar" a pessoa do Padre Bonetti "aos começos” do Movimento dos Focolares - disse em um comunicado - " . foi ele que, em circunstâncias diferentes, acabou sendo instrumento de Deus". A presidente dos Focolares recorda também a resposta dada pelo capuchino a Lubich, “tendo-lhe acolhido a generosidade”: “Lembre-se senhorinha: Deus a ama muito!”. Ou também “ao pensamento expresso por ele no dia 24 de janeiro de 1944 sobre o momento mais doloroso da paixão de Jesus, que na sua opinião foi identificar quando Ele clamou : "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?" (Mt 27,46).

"Tais declarações, das quais ele próprio se maravilhou, reconhecendo nelas fruto do agir do Espírito Santo, tiveram na alma de Chiara Lubich uma ressonância especial”, afirma Maria Voce. E acrescenta: “Graças ao carisma de Deus doado a você, esse, juntamente com outras intuições devidas a você, se tornaram ao longo do tempo fundamentos da espiritualidade da unidade que anima a vida do Movimento dos Focolares”.

O Movimento mantém, portanto, viva memória do padre Bonetti, assegurando “a comum oração por ele com gratidão e reconhecimento”.

(Trad.TS)