"Os jovens não seguem o Papa, seguem Jesus Cristo, carregando a sua Cruz"

Palavras do Papa Francisco antes da oração do Angelus neste domingo

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 863 visitas

Publicamos a seguir as palavras que o Santo Padre proferiu às 12h de hoje, antes da tradicional oração do Angelus, aos fieis reunidos na praça de São Pedro:

***

Queridos irmãos e irmãs!

No domingo passado eu estava no Rio de Janeiro. Concluia-se a Santa Missa e a Jornada Mundial da Juventude. Acho que todos juntos temos que agradecer ao Senhor pelo grande dom que foi este evento para o Brasil, para a América Latina e para o mundo inteiro. Foi uma nova etapa na peregrinação dos jovens em todos os continentes com a Cruz de Cristo. Nunca devemos esquecer que as Jornadas Mundiais da Juventude não são "fogos de artifício", momentos de entusiasmo fins em si mesmos; são etapas de uma longo caminho, começado em 1985, por iniciativa do Papa João Paulo II. Ele confiou ao jovens a Cruz e disse: Ide, e eu irei convosco! E assim foi feito; e esta peregrinação dos jovens continuou com o Papa Bento XVI, e graças a Deus também eu pude viver esta maravilhosa etapa no Brasil.

Lembremo-nos sempre: os jovens não seguem o Papa, seguem Jesus Cristo, carregando a sua Cruz. E o Papa os orienta e os acompanha neste caminho de fé e de esperança. Agradeço por isso a todos os jovens que participaram, mesmo à custa de sacrifícios. E agradeço ao Senhor também pelos outros encontros que tive com os Pastores e o povo daquele grande País que é o Brasil, como também com as autoridades e os voluntários. O Senhor recompense todos aqueles que trabalharam por esta grande festa da fé. Quero também ressaltar a minha gratidão, muito obrigado aos brasileiros. Pessoas maravilhosas estas do Brasil, um povo com grande coração! Não esqueço da sua calorosa recepção, das suas saudações, dos seus olhares, tanta alegria. Um povo generoso; peço ao Senhor que o abenço muito!

Gostaria de pedir-vos que orem por mim para que os jovens que participaram da Jornada Mundial da Juventude possam traduzir essa experiência na sua jornada diária, no comportamentos de todos os dias; e que possam traduzí-lo também em escolhas importantes de vida, respondendo ao chamado pessoal do Senhor. Hoje na liturgia ecoa a palavra provocante do Eclesiastes: "Vaidade das vaidades... tudo é vaidade" (1,2). Os jovens são particularmente sensíveis ao vazio de sentido e de valores que muitas vezes os rodeiam. E, infelizmente, pagam as consequências. Em vez disso, o encontro com Jesus vivo, em sua grande família que é a Igreja, enche o coração de alegria, porque o preenche com a vida verdadeira, de um bem profundo, que não passa e não apodrece: o vimos nos rostos dos jovens no Rio. Mas esta experiência tem que ser confrontada com a vaidade cotidiana, o veneno do vazio que se insinua nas nossas sociedades baseadas no lucro e no ter, que iludem os jovens com o consumismo. O Evangelho deste domingo nos lembra justamente o absurdo do fundamentar a própria felicidade no ter. O rico diz a si mesmo: Alma minha, tens em depósito muitos bens... descansa, come, bebe e se divirta! Mas Deus lhe diz: Louco, esta mesma noite a sua vida será pedida. E o que você tiver acumulado, de quem será? (Cf. Lc 12,19-20). Queridos irmãos e irmãs, a verdadeira riqueza é o amor de Deus compartilhado com os irmãos. Aquele amor que vem de Deus e faz com que nós o compartilhemos entre nós e nos ajudemos entre nós. Quem o experimenta não teme a morte, e recebe a paz do coração. Confiemos esta intenção, a intenção de receber o amor de Deus e compartilhá-lo com os irmãos, à intercessão da Virgem Maria.

[Após a oração do Angelus, o Papa saudou os peregrinos com as seguintes palavras:]

Queridos irmãos e irmãs,

Saúdo-vos a todos e muito obrigado pela vossa presença, apesar do calor.

Fico feliz em cumprimentar especialmente alguns grupos de jovens: a Juventude carmelita da Croácia; os jovens de Sandon e Fossò, diocese de Verona; os de Mozzanica, diocese de Cremona; aqueles de Moncalieri, que percorreram uma parte do caminho a pé; e aqueles de Bergamo, que vieram de bicicleta. Obrigado a todos! Há tantos jovens hoje na praça: isto parece Rio de Janeiro!

Gostaria de assegurar uma lembrança especial a todos os párocos e a todos os sacerdotes do mundo, porque hoje se comemora o seu padroeiro: São João Maria Vianney. Caros irmãos, fiquemos unidos em oração e na caridade pastoral.

Amanhã os romanos lembramos nossa Mãe, a Salus Populi Romani: peçamos a ela que nos proteja; e agora todos juntos saudemo-la com uma Ave Maria. Todos juntos: “Ave Maria...”. Uma saudação à nossa Mãe, todos juntos uma saudação à Mãe (aplaude junto com as pessoas).

Também gostaria de lembrar a festa litúrgica da Transfiguração, que será depois de amanhã, com um pensamento de profunda gratidão para com o Venerável Papa Paulo VI, que partiu deste mundo, na noite do 6 de Agosto, há 35 anos.

Queridos amigos, desejo-vos um bom domingo e um bom mês de agosto. E um bom almoço! Nos vemos!

Traduzido do Italiano por Thácio Siqueira