Os mandamentos: "não uma proibição, mas uma proposta de amor"

Entrevista com o secretário do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização

| 1078 visitas

Salvatore Cernuzio

ROMA, quarta-feira, 5 de setembro de 2012 (ZENIT.org) - No final da conferência de lançamento do projeto 10 Praças para 10 Mandamentos, que deve acontecer neste sábado, 8, na Piazza del Popolo, em Roma, ZENIT conversou com dom José Octavio Ruíz Arenas, secretário do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização,

ZENIT:Excelência, os Dez Mandamentos são frequentemente vividos como uma imposição, em vez de uma regra de amor de Deus pelo homem. Por que começar um projeto de evangelização a partir deles?

Dom Ruiz Arenas: Justamente porque é hora de redescobrir o verdadeiro significado dos mandamentos, que não são uma proibição, mas uma proposta de amor. Deus deu a Moisés os dez mandamentos para deixar claro para o povo de Israel como se comportar diante dele e diante dos outros. Eles são um convite ao amor, uma indicação clara do caminho a seguir para que não se rompa a unidade nem a comunhão com Deus e com os homens.

O evento que começa neste sábado tem o objetivo de aprofundar o verdadeiro significado dos dez mandamentos: que Deus é amor e que todos nós, homens e mulheres criados à imagem e semelhança de Deus, devemos amar os outros, ser solidários e prestimosos em todos os momentos da vida, para convivermos pacífica e amigavelmente.

ZENIT:Bento XVI vai participar de todos os encontros através de uma mensagem em vídeo. É a primeira vez que o papa participa de uma iniciativa de evangelização que não é uma JMJ nem um encontro organizado pela Santa Sé. O que esta contribuição do papa representa para o projeto?

Dom Ruiz Arenas: Representa muito! Em particular, ela significa que a voz do papa deve ressoar em toda parte, que ela vai estar presente em praça pública, para milhares de pessoas, onde talvez exista gente que nunca ouviu o papa falar.

É uma maneira nova, que mostra a vontade da Igreja de alcançar as pessoas em locais públicos e comuns, e que demonstra que a paróquia não é o único lugar para ouvir a palavra do papa e a bíblia.

Eu acho também que pode ser um testemunho forte para aqueles que ainda estão em dúvida ou afastados da Igreja.

ZENIT:Os jovens, em particular...

Dom Ruiz Arenas: Exatamente. Eu tenho certeza de que muitos jovens, que talvez sejam atraídos só pela multidão ou pelo show, vão ficar impressionados com o fato de que o papa está presente ali no meio da praça. Vamos pensar nas Jornadas Mundiais da Juventude: quando o papa fala, todo mundo se sente chamado a dar uma resposta!

Este evento será uma ocasião única para muitos jovens que não são cristãos, que são indiferentes a Deus ou que não querem nem ouvir falar dessas coisas, por causa da "moda secularizada"; uma ocasião para eles ouvirem o papa pedir diretamente que eles abram as portas do coração para Cristo.

ZENIT:Além do vídeo-mensagem do papa, teremos também as palavras de personalidades eclesiásticas e do mundo do entretenimento, e de homens e mulheres comuns que darão seu testemunho. Qual é a mensagem desta forte presença dos leigos?

Dom Ruiz Arenas: É um aspecto muito importante, porque mostra que a fé em Deus não é exclusiva da Igreja. Deus tem presença em toda a humanidade, e é fundamental ouvir pessoas que não são religiosas, nem sacerdotes, nem diretamente envolvidas na Igreja, falando de Deus e do seu amor com base na sua própria experiência pessoal de fé.

O testemunho dos cristãos, e de todas as pessoas que têm uma ideia mais genérica de Deus, pode ser uma ajuda para os outros, que, vendo essa alegria e essa convicção, poderão refletir melhor e abrir o coração para o anúncio de Cristo.

(Tradução:ZENIT)