Os santos encarnam as bem-aventuranças, que são o fiel espelho de Cristo

Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos fala durante o Sínodo

| 1050 visitas

Cardeal Angelo Amato

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 17 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Apresentamos o pronunciamento do cardeal Angelo Amato, SDB, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, durante a décima segunda congregação geral do Sínodo dos Bispos, em 15 de outubro de 2012.

***

Os Lineamenta nos oferecem em torno de quarenta referências tanto à santidade entendida como conversão a Cristo e acolhimento pleno da sua graça, quanto aos santos como protagonistas indispensáveis da nova evangelização: "O maior segredo da nova evangelização é a resposta ao chamamento à santidade de cada cristão" (nº 158).

A santidade da Igreja em seu ser e no agir dos seus filhos é um tema essencial do documento. Por que esta insistência? Porque a Igreja oferece ao povo, nos santos, a visão edificante do evangelho vivido, testemunhado e proclamado na íntegra. Os santos evangelizam através da sua vida virtuosa, alimentada pela fé, pela esperança e pela caridade.

Eles encarnam as bem-aventuranças, que são o espelho fiel de Cristo: bem-aventurados são os pobres, os mansos, os puros de coração, os misericordiosos, os pacificadores, os perseguidos. Eles respondem com extraordinária criatividade ao mandamento do amor a Deus e ao próximo: eu tive fome e sede, e vós me destes de comer e de beber; eu era peregrino e me acolhestes; estava doente e na prisão e viestes me visitar. Os santos abraçam a humanidade com a sua caridade, tornando a vida melhor, mais pacífica, mais fraterna.

Por isto é que os dias do nosso calendário são marcados pelos nomes de santos. A história da Igreja, no Oriente e no Ocidente, no Norte e no Sul, registra santos de todas as idades, de todos os países, de toda raça, língua e cultura, porque a graça do Deus Trino é como o orvalho da manhã. Ela pousa sobre todas as plantas do jardim, mas sobre a rosa ela é vermelha, sobre as folhas é verde, sobre os lírios é branca.

Assim é a santidade, que, mesmo sendo única como dom divino, penetra suave e transformadora no coração dos filhos da Igreja em todas as partes do mundo, na Ásia e na África, na América, na Oceania e na Europa. Temos santos mártires, santos confessores, santos doutores da Igreja. Todos são testemunhas de Cristo e são evangelizadores.

(Trad.ZENIT)