Os últimos aplausos da multidão a Bento XVI

Muita emoção entre os fiéis na Praça de São Pedro para a audiência geral de despedida do Santo Padre

Roma, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 1111 visitas

Emocionante. Não há outra palavra para descrever a atmosfera antes da audiência de Bento XVI na manhã de hoje: a última do seu pontificado.

Como esperado, a multidão de fiéis de todas as partes da Itália e do mundo encheu a Praça de São Pedro. Já às 7h30 da manhã as filas acompanhavam os dois lados da colunata, com os peregrinos de bilhete em mãos, ansiosos para entrar e encontrar o melhor lugar.

A partir das 9h, todos os setores disponíveis estavam ocupados. Em meio ao mar de cabeças, cores, braços levantados, elevavam-se cartazes em homenagem ao Santo Padre. "Adeus, Santo Padre", despediam-se alguns do papa alemão; outros preferiam desejar um "até breve" ou até mesmo pedir um "fique!".

Todos vieram ver o papa Bento antes que se ele "se esconda do mundo": movimentos e associações, acompanhadas pelos seus presidentes e representantes; paróquias inteiras, freiras, seminaristas, padres e, claro, cardeais e bispos ao lado direito do papa.

Faltam poucos minutos para a chegada do pontífice. Valha o clichê habitual sobre as grandes ocasiões: a multidão, realmente, ferve. Cada um procura um lugar algum centímetro mais para a frente quando a Guarda Suíça e os responsáveis ​​pela segurança informam que o Santo Padre vai passar de papamóvel pelo meio do povo, por ambos os lados da praça.

Todas as cabeças já estão viradas para a porta de onde o papa vai sair. Já ecoa o coro habitual de "Viva o papa!", em várias línguas, e de "Benedetto!", da boca de italianos e de estrangeiros que se juntam aos seus cantos. Os guardas suíços se posicionam nas laterais do palco do papa: um prolongado aplauso explode na multidão.

A atmosfera é solene; parece lembrar, em alguns aspectos, uma Jornada Mundial da Juventude, ou talvez uma versão simplificada da cerimônia de beatificação de João Paulo II. No entanto, é "apenas" uma audiência de quarta-feira. É a mesma audiência "normal" que Bento XVI ofereceu toda semana, e que alguns acompanhavam distraídos ou apenas para criticar as suas palavras, sempre cheias de verdade.

Mas o gesto histórico do papa atraiu agora as atenções de todos. Se alguém ainda duvidava da grandeza intelectual e espiritual deste pontífice, hoje a vê claramente confirmada.

A multidão é a prova. Nos últimos instantes antes da entrada do Santo Padre, calam-se todos os gritos, aplausos e até cochichos, para ouvir muito bem o que Bento XVI vai dizer; para que as palavras do papa entrem não apenas pelos ouvidos, mas principalmente pelo coração.