Padre Estéphan Nehmé, o “discípulo da terra”

Será beatificado em 27 de junho em Kfifan, no Líbano

| 1310 visitas

ROMA, sexta-feira, 11 de junho de 2010 (ZENIT.org) – O venerável Estéphan (Youssef) Nehmé, religioso professo da Ordem Libanesa dos Maronitas, era um homem de oração e um “discípulo da terra”, para a qual foi uma escola de santidade e uma fonte de espiritualidade.

No domingo 27 de junho em Kfifan, Líbano, Nehmé será declarado beato em um rito presidido pelo arcebispo Angelo Amato, S.D.B., prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, representante do Santo Padre.

O novo beato nasceu em 1889 no vilarejo de Léhféd-Jbeil, filho mais novo de uma família de sete filhos. Frequentou a escola de Notre-Dame des Grâces da Ordem Libanesa Maronita, onde aprendeu a ler e escrever.

Segundo uma tradição popular, certa vez, quando Youssef estava nos campos a pastorear animais da fazenda de seu pai, viu um pequeno texugo entrar em uma gruta escavada no chão. Notando a presença de traços de água, pôs-se a escavar, e viu a água jorrar do fundo da caverna, se tornou uma fonte – hoje conhecida por todos pelo nome de “Fonte do Texugo”.

Em 1905, dois anos após a morte de seu pais, ingressou no noviciado da Ordem Libanesa Maronita, no monastério dos santos Cipriano e Justina de Kfifan; em 23 de agosto, pronunciou os votos monásticos com o nome de Estephan, o santo padroeiro do vilarejo onde nasceu.

Frei Estephan passou a vida em diversos monastérios da Ordem, trabalhando nos campos, e nos jardins e dedicando-se à carpintaria e à construção de casas. Soube sempre, em qualquer situação, transmitir a seus irmãos a Boa Nova, graças a uma intensa vida de oração, na fidelidade às constituições e à espiritualidade da Ordem.

Da espiritualidade de frei Estephan emerge a consciência da presença constante do Senhor em cada instante de sua vida, evidenciada pelas palavras que com frequência repetia: “Deus me vê”.

Morreu em 30 de agosto de 1938, aos 49 anos, e foi sepultado no monastério de Kfifan, onde seu corpo se conserva incorrupto.

O Papa Bento XVI reconheceu suas virtudes heróicas em 17 de dezembro de 2007.

Após os santos Charbel, Rafqa e Nimatullah, frei Estephan é o quarto filho da Ordem Libanesa Maronita a ser proclamado beato.