Padre Loring, aos 89 anos, faz da internet seu púlpito

Onde publica sobre respostas e perguntas da fé e vida

| 1556 visitas

MADRI, segunda-feira, 1 de março de 2010 (ZENIT.org).- O padre Jorge Loring S.J. é incansável. Aos seus quase 89 anos, tem feito da internet seu púlpito. Trabalha 12 horas por dia.

Nesse último ano esteve seis meses na América dando palestras e conferências pela metade do continente, além de participar de programas de rádio e televisão.

Acaba de publicar “Mais de 200 respostas de perguntas que você tem feito sobre a fé, a moral e a Doutrina católica” (Vozdepapel), onde aborda as principais e repetidas preocupações e dúvidas, e suas adequadas respostas às mais de 50 mil perguntas que lhe fizeram através da internet nos últimos anos. E continua a responder a todas as perguntas em jorgeloring@gmail.com.

–Quando e por que o senhor viu a necessidade de utilizar as novas tecnologias para a evangelização?

–Padre Loring: Porque penso que devemos aproveitar os avanços da tecnologia para evangelizar. Por isso comecei a utilizar a internet assim que começou, faz uns 10 anos. Quando, nos jogos Olímpicos de Atlanta (EUA), um terrorista colocou uma bomba, eu descobri que ele aprendeu a fazer bombas pela internet, e eu disse: “A internet serve para fazer terroristas, por que não serviria para fazer católicos?”. E assim foi. Tenho recebido e-mails de ateus e protestantes que abraçaram a fé católica depois de ler meu livro. Com a ajuda de Deus!

–Então, poder-se-ia dizer que o senhor foi um dos primeiros sacerdotes a utilizar a internet?

–Padre Loring: Possivelmente. Mas não me consta ser o primeiro.

Quantas perguntas e preocupações foram respondidas nesses anos?

–Padre Loring: Mais de cinquenta mil.

Quantas horas dedica ao dia para respondê-las?

–Padre Loring: Quando não estou viajando, umas dez horas ao dia. Muitas perguntas eu respondo assim que chego. Outras tenho de pensar quando me dirijo à missa, pois em meu escritório não paro de escrever. Não sei tudo. Às vezes consulto os companheiros jesuítas de minha comunidade ou mesmo pergunto para algum especialista do tema. Muitas vezes já tenho escritas: copio, colo e mando. Pois muitas perguntas se repetem.

Quais são as dúvidas mais comuns: fé, moral ou doutrina?

–Padre Loring: As de moral. Muita gente têm preocupações de consciência. Precisam de orientação. Talvez o anonimato da internet as ajude. Também são frequentes as perguntas sobre textos bíblicos. Por isso publiquei um livro chamado “Os Evangelhos com 2.000 dúvidas resolvidas” (Planeta+Testimonio).

Qual é a preocupação comum e mais “universal” que já perguntaram?

–Padre Loring: As relacionadas com acusações de protestantes sobre a Igreja Católica. Muitos internautas são da América Latina, e ali estão invadidos por seitas que os enganam com mentiras.

Qual a resposta mais difícil de responder?

–Padre Loring: As dos casados na Igreja, divorciados, e que voltaram a se casar que desejam comungar. Nem sempre se pode dizer o que eles gostariam de ouvir.

Outra questão é o controle da natalidade. Existem muitos matrimônios nos quais não querem mais ter filhos, e quando é dito a eles que a solução é o método de Billings, não confiam. Contudo, está provado que o método de Billings é o mais seguro, saúdavel, barato, simples e mais moral.

–O senhor tem 88 anos, e em breve completa 89. Na sua idade não gostaria de estar felizmente aposentado?

–Padre Loring: De forma alguma. O que peço a Deus é ser útil até a última hora.

–O que mantém o senhor com essa vitalidade?

–Padre Loring: Creio que o sacerdote deve evangelizar enquanto não está impossibilitado. Agora tenho vários projetos apostólicos que acredito ser de muita glória para Deus. Peço a Deus que me mantenha vivo até que os realize.

Entre outros estou gerenciando a tradução para o chinês de “Para Salvar-te”, por um professor de Xangai. Quando estiver pronta, penso em colocá-la na internet para que todos os chineses possam ler gratuitamente. Certamente que alguns, ao se informar sobre a religião católica, abraçarão nossa fé.

Quando viu que em sua vocação sacerdotal estava também sua vocação de divulgador?

–Padre Loring: Desde quando eu era um jovem estudante jesuíta comecei a falar em quartéis e prisões. Como jesuíta, me mandaram falar para quinze soldados de um quartel. Minhas pernas tremiam debaixo da batina. Hoje, se eu estiver diante de três mil homens ou de câmeras de televisão fico tão tranquilo como quando eu escrevo.

–Quantos livros foram vendidos de seu famoso “Para Salvar-te”?

–Padre Loring: Mais de 1,3 milhão na Espanha. Além de ter edições no México, Equador, Peru e Chile. E foi traduzido para o inglês em Los Angeles (Califórnia), para o árabe no Cairo e para o hebreu em Jerusalém, hoje está sendo traduzido para o russo em Moscou e para o chinês em Xangai.

Continuam convidando o senhor para conferências na América?

–Padre Loring: Há muito tempo vou todos os anos. Em 2009 dediquei à América seis meses, e dentro de dois meses voltarei. Será minha 77ª travessia do Atlântico. O ano passado dei conferências em Miami, San Diego, doze cidades do México, Bogotá, Medellín e Lima. Agora volto a repetir algumas e participarei em novas cidades.

Quantas pessoas o senhor calcula que já falou diretamente ao longo de sua vida?

–Padre Loring: Creio que centenas de milhares, pois fiz milhares de palestras e em muitas delas foi superado o número de mil espectadores. Tenho fotos de enormes auditórios e teatros, universidades, fábricas, etc. Durante vinte e cinco anos fiz palestras mensais em três grandes fábricas navais da Baia de Cadiz, de 3 a 4 mil trabalhadores em cada uma, com participação de 90% dos trabalhadores.

–Qual é para o senhor a atividade apostólica mais importante que já teve?

–Padre Loring: Minhas intervenções na televisão norte-americana EWTN, da Madre Angélica, onde gravei quarenta episódios de meia hora, que se repetem faz anos, são transmitidos semanalmente e, segundo me disseram, 80 milhões de pessoas assistem em toda a Hispanoamérica.