Pais e filhos na celebração do dia do Senhor

Coluna de orientação catequética aos cuidados de Rachel Lemos Abdalla

Campinas, (Zenit.org) Rachel Lemos Abdalla | 782 visitas

A Igreja, chamada 'casa de Deus, é o lugar na qual habita a Sua família'[1], e as Paróquias são os diversos endereços dela, onde 'vivemos em comunidade e fazemos a experiência com Deus'[2].

A 51ª Assembleia dos Bispos no Brasil, realizada em abril deste ano, em Aparecida, teve como tema: “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. É, pois, ali na Paróquia, que pais e filhos precisam encontrar acolhida como filhos de Deus e entre irmãos, em comunidade!

Segundo o Documento de Aparecida[3], 'a Paróquia é uma célula viva da Igreja', e cada uma delas abarca dezenas de atividades pastorais evangelizadoras em diversos campos, que deve abranger todas as idades dos fiéis e buscar oportunidades de estar próximas das mais variadas situações em que eles se encontram e, de modo especial, com um olhar voltado para a família, a fim de que todos se sintam à vontade e abraçados pelo Pai nas suas dificuldades e necessidades por meio dos seus discípulos. Portanto, a Paróquia deve ser o lugar onde se encontra 'um espaço comunitário para se formar na fé e crescer comunitariamente' nas suas diversas celebrações e, 'principalmente na Eucaristia dominical'.

É por isso que o 'Pequeninos do Senhor', sendo um serviço da Igreja em ação, abre um espaço evangelizador e acolhedor durante as missas, para as crianças de 3 a 7 anos, através de uma proposta Catequética-Litúrgica, apropriada para a linguagem delas, ou seja, através de um material e de atividades lúdicas e dinâmicas.

Ter o 'Pequeninos do Senhor' implantado na Paróquia, como um serviço, é estar abrindo as portas da Igreja e o caminho para as crianças e suas famílias percorrerem, tendo Cristo como um Amigo na caminhada. Ao acolher as crianças para ouvir também as suas histórias de vida, de alegrias e de dificuldades, além da contação de histórias sobre Jesus, através do Evangelho do domingo, o catequista está evangelizando, aproximando Jesus delas e levando-as até Ele. Assim, conhecendo o Amor que Ele emana, elas aprenderão a viver também este amor, ter compaixão, ter misericórdia e saber acolher e perdoar. Mas, principalmente, a partir do conhecimento e da obediência, elas vão aprender a amá-Lo, tornando-se cristãos conscientes e coerentes no dia a dia.

Muitos testemunhos de fé fazem parte da vida de pessoas que tiveram uma experiência positiva na infância, a partir do encontro com a pessoa de Jesus. São relatos que demonstram a importância da formação cristã desde pequeninas. A atitude de sair de casa, em família, aos domingos para ir à missa, pode passar despercebida, a princípio, mas está formando nos pequeninos, raízes que os sustentarão na vida com Deus e com os homens. Sem grandes comentários ou explicações, essa atitude dos pais passa a ser o rumo que os filhos tomarão no futuro, mesmo que em algum momento, eles se percam no caminho.

*Rachel Lemos Abdalla é Fundadora e Presidente da Associação Católica Pequeninos do Senhor; Coordenadora da Catequese da Família da Paróquia Nossa Senhora das Dores em Campinas; e é membro da 'Equipe de Trabalho' do 'Ambiente Virtual de Formação' da Arquidiocese de Campinas, São Paulo – Brasil.

Site: www.pequeninosdosenhor.org

Se desejar enviar perguntas ou expressar opiniões sobre os temas tocados pela coluna organizada por Rachel Lemos Abdalla, enviar email para: contato@pequeninosdosenhor.org

Para ler o artigo anterior clique aqui.

[1] Lumen Gentium 6

[2] Palavras de Dom Sérgio Eduardo Castriani, arcebispo de Manaus (AM) por ocasiãoda finalização do texto base e definição da proposta de metodologia para a 51ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil.

[3] DA 304-305