Papa a bispos siro-malancares: buscar comunhão na diversidade

Recebe representantes desta igreja “sui iuris” em Roma

| 1429 visitas

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 25 de março de 2011 (ZENIT.org) - O Papa Bento XVI recebeu hoje os bispos da Índia que pertencem ao rito siro-malancar e exortou-os a conjugar seu amor e veneração por seu rito particular, em comunhão com o resto da Igreja, e a lealdade para com o Sucessor de Pedro.

Os bispos siro-malancares estão nestes dias em Roma para a visita ‘ad limina Apostolorum", liderados por Baselios Cleemis, o arcebispo maior.

O Papa quis expressar aos bispos o carinho da Santa Sé por eles, recordando o gesto de João Paulo II, em 2005, de promover a Igreja siro-malancar a igreja arcebispal maior, concedendo-lhe assim maior jurisdição.

"As tradições apostólicas que conservais desfrutam da sua total fecundidade espiritual quando vividas em comunhão com a Igreja universal", disse o Papa, destacando que os bispos seguem "corretamente os passos do Servo de Deus Mar Ivanios, que levou seus antecessores e seus fiéis à total comunhão com a Igreja Católica".

"Da mesma forma que vossos antepassados, também estais chamados, na única casa de Deus, a continuar com forte lealdade o que vos foi transmitido."

"É desejo da Igreja Católica que as tradições de cada Igreja particular ou rito se mantenham salvas e íntegras às diferentes necessidades de tempo e lugar", sublinhou o Papa, citando a ‘Orientalium Ecclesiarum'.

Por isso, encorajou os bispos a "desenvolver a estima, entre os vossos sacerdotes e seu povo, pelo patrimônio litúrgico e espiritual que vos foi dado, enquanto construís firmemente a comunhão com a Sé de Pedro".

"O depósito da fé recebida dos Apóstolos e transmitida fielmente ao nosso tempo é um dom precioso de Deus", disse também.

"Vós e vossos presbíteros estais chamados a promover esta comunhão através da Palavra e dos sacramentos, e fortalecê-la com uma catequese sólida, para que a Palavra de Vida, Jesus Cristo, e o dom da vida divina - comunhão com Ele - sejam conhecidos no mundo inteiro", acrescentou.

Ele também os encorajou a não se desanimar pelos seus números pequenos: "As comunidades cristãs pequenas deram muitas vezes, como sabeis, um testemunho notável na história da Igreja".

"Como nos tempos apostólicos, a Igreja do nosso tempo prosperará seguramente na presença de Cristo vivo, que prometeu permanecer conosco sempre e sustentar-nos", afirmou.

Por outro lado, o Papa quis reconhecer as "raízes antigas e a distinta história" do cristianismo na Índia, que "deram um longo e adequado contributo à cultura e à sociedade, e às suas expressões religiosas e espirituais".

"É através da determinação de viver o Evangelho - porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê - que aqueles a quem servis oferecem um contributo mais eficaz para todo o Corpo de Cristo e a sociedade hindu, para o benefício de todos", concluiu.