Papa à ONU: os que abusam dos recursos devem arcar com custos

Vídeo-mensagem à cúpula sobre mudança climática

| 1266 visitas

CASTEL GANDOLFO, quinta-feira, 24 de setembro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI fez um convite aos governos do mundo para exigirem que aqueles que abusam dos recursos naturais arquem com os custos que isso supõe, ao invés de impô-los a outros povos ou às gerações futuras.

A firme reivindicação do pontífice ressoou no Palácio de Cristal das Nações Unidas de Nova York, através de uma vídeo-mensagem em inglês, que foi transmitida durante a cúpula sobre mudança climática, realizada no dia 22 de setembro.

Em sua intervenção, o Papa exige que “a comunidade internacional e cada governo deem os sinais adequados aos seus cidadãos e consigam contra-arrestar formas perigosas de utilização do ambiente”.

“Os que esgotam os recursos compartilhados devem reconhecê-lo claramente e arcar com os custos econômicos e sociais deste fato, que não devem recair sobre outros povos ou sobre as gerações futuras”, alerta o Bispo de Roma.

“A proteção do ambiente e a salvaguarda dos recursos e do clima – sublinha – obrigam todos os responsáveis a unirem seus esforços, respeitando a lei e promovendo a solidariedade com as regiões mais frágeis do mundo.”

Mas o vídeo do Papa, que foi gravado no último dia 26 de agosto, durante a audiência geral, é uma mensagem de esperança.

“Juntos, podemos alcançar um desenvolvimento integral benéfico para todos os povos – diz –, no presente e no futuro; um desenvolvimento inspirado nos valores da caridade e da verdade.”

Para isso, segundo Bento XVI, “é essencial que o modelo atual de desenvolvimento global se transforme mediante a conscientização de uma responsabilidade mais ampla e compartilhada com a criação: exigem-no não somente os fatores ambientais, mas também o escândalo da fome e da pobreza”.

O Papa conclui convidando os participantes da cúpula nas Nações Unidas a enfrentarem as discussões “de forma construtiva e com coragem generosa”.

“Todos nós estamos chamados a administrar responsavelmente a criação e a utilizar seus recursos de forma que cada ser humano e cada comunidade vivam com dignidade e atestiguem a aliança entre os seres humanos e o ambiente, que deveria refletir o amor criador de Deus”, diz.

A cúpula sobre mudança climática foi realizada visando à Conferência de Copenhague, de dezembro, na qual terão de ser renovados os acordos de Kyoto sobre a limitação de emissões de gases de efeito estufa.