Papa advoga por Estado palestino e “paz justa e duradoura”

Na cerimônia de boas-vindas aos Territórios Palestinos

| 1166 visitas

BELÉM, quarta-feira, 13 de maio de 2009 (ZENIT.org).- Ao chegar nesta quarta-feira aos Territórios Palestinos, Bento XVI advogou por um Estado local soberano e uma “paz justa e duradoura”.

Na cerimônia de boas-vindas promovida pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, Bento XVI afirmou que implora “ardentemente ao Todo Poderoso pela paz, uma paz justa e duradoura, nos Territórios Palestinos e em toda região”.

“A Santa Sé apoia o direito do seu povo a uma soberana pátria palestina na terra de vossos antepassados, segura e na paz com seus vizinhos, dentro de fronteiras reconhecidas internacionalmente”, afirmou o Papa. 

Bento XVI reconheceu que, “se atualmente este objetivo parece longe de se alcançar”, contudo não se deve perder a esperança “em que se possa achar uma via de encontro entre as legítimas aspirações, tanto dos israelenses como dos palestinos, para a paz e a estabilidade”.

“Imploro a todas as partes implicadas neste longo conflito que deixem de lado todo rancor e divisão que possam ainda existir no caminho da reconciliação e cheguem a todos por igual, com generosidade e compaixão e sem discriminação.”

“Uma coexistência pacífica entre os povos do Oriente Médio só se pode alcançar com um espírito de cooperação e respeito mútuo, no qual todos os direitos e a dignidade de todos sejam reconhecidos e respeitados”, afirmou o Papa.

Bento XVI manifestou também sua esperança em que os problemas de segurança em Israel e nos Territórios Palestinos sejam resolvidos logo, “para permitir uma maior liberdade de movimento, especialmente referente aos contatos entre familiares e ao acesso aos lugares santos”.

Gaza

Ao tocar na questão da recente guerra em Gaza, o Papa desejou que, com a “ajuda da comunidade internacional, o trabalho de reconstrução possa-se realizar rapidamente ali onde casas, escolas ou hospitais foram danificados ou destruídos”.

“Isso é essencial para que a população desta terra possa viver em condições que favoreçam a paz duradoura e a prosperidade.”

Segundo Bento XVI, uma infra-estrutura “estável oferecerá a vossos jovens melhores oportunidades para adquirir valiosas especialidades e obter empregos”. Isso “os habilitará para oferecer sua contribuição na construção da vida de vossas comunidades”.

O Papa fez um apelo aos jovens locais: “não permitam que a perda de vidas humanas e a destruição de que foram testemunhas despertem ressentimento ou amargura em seus corações”.

“Tenham coragem de resistir a qualquer tentação que sintam de recorrer aos atos de violência ou de terrorismo. Pelo contrário, deixem-se preencher pelo profundo desejo de oferecer uma contribuição duradoura ao futuro da Palestina, para que possa ocupar o lugar que lhe corresponde no cenário mundial.”

“Deixem-se inspirar por sentimentos de compaixão para com todos os que sofrem, pelo zelo pela reconciliação e por uma firme confiança na possibilidade de um futuro mais luminoso”, afirmou o pontífice.