Papa alenta cooperação inter-religiosa na Indonésia e a partir dela

Em seu discurso ao novo embaixador do país asiático na Santa Sé

| 848 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 12 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- A Indonésia tem um papel «importante e positivo» a desempenhar na promoção da cooperação inter-religiosa dentro e fora de suas fronteiras, sustenta o Papa.



«Diálogo, respeito das convicções dos demais e colaboração no serviço da paz são os meios mais seguros para assegurar a concórdia social», disse Bento XVI em seu discurso ao novo embaixador da Indonésia na Santa Sé, Suprapto Martosetomo, diplomata, ao receber nesta segunda-feira suas cartas credenciais.

Neste âmbito de cooperação, o Santo Padre mencionou o «promissor desenvolvimento» que representam «as instâncias de cooperação entre cristãos e muçulmanos na Indonésia, orientadas particularmente à prevenção dos conflitos étnicos e religiosos nas áreas mais problemáticas».

«Ainda que os católicos na Indonésia sejam uma minoria, desejam participar plenamente na vida do país – assinalou ao diplomata – multirreligioso, com a população muçulmana mais numerosa do mundo»: mais de 90% de seus 210 milhões de habitantes.

Os católicos na Indonésia, «com sua rede de instituições educativas e de saúde, buscam oferecer um serviço significativo a seus irmãos e irmãs, sem distinção de religião – sublinhou o Papa –, e infundir os valores éticos fundamentais por um progresso cívico autêntico e uma coexistência pacifica».

Sua livre prática religiosa está garantida constitucionalmente; «a proteção deste direito humano fundamental reclama uma vigilância constante por parte de todos», expressou.

O fato de que a Indonésia tenha entrado recentemente no acordo internacional de direitos civis e políticos é para o Papa motivo de confiança: «Isso ajudará a consolidar mais a liberdade e legítima autonomia dos cristãos e suas instituições», apontou em seu discurso.

Dessa forma, confia em que, como membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU, os princípios que inspiram as políticas nacionais «de pacificação, diálogo e tolerância» possibilitem à Indonésia «contribuir de forma frutífera na solução de conflitos globais e na promoção de uma paz baseada na solidariedade internacional e na preocupação pelo desenvolvimento integral de indivíduos e povos».