Papa Bento XVI entra pela “porta grande” de Madri

Um gesto de acolhimento repleto de simbolismo

| 809 visitas

MADRI, sexta-feira, 19 de agosto de 2011 (ZENIT.org) – O Papa Bento XVI entrou ontem à tarde, de forma simbólica, na cidade de Madri, sede da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em uma emotiva cerimônia, em companhia de dezenas de jovens, pela Puerta de Alcalá, um dos símbolos da cidade.

Neste primeiro encontro com os jovens, na Plaza de Cibeles, o Pontífice foi acolhido por uma cerimônia de boas-vindas com sabor muito espanhol, na qual não faltaram os típicos trajes flamencos, acompanhados pela música de blocos e por cerca de 600 mil jovens que lotavam toda a região central da cidade.

O Papa realizou o gesto de entrar pela Puerta de Alcalá, por um dos cinco arcos, acompanhado por uma representação de jovens dos cinco continentes. O ato esteve carregado de simbolismo, já que, devido ao caráter de canhada real da rua Alcalá (um status devido às antigas legislações, ainda em vigor, que protegem a transumância do gado lanar na Espanha), por ela desfilaram, durante anos, numerosos pastores com seus rebanhos de ovelhas transumantes.

Além disso, esta antiga porta de passagem e entrada triunfal à cidade constitui o primeiro arco de triunfo construído na Europa após a queda do império romano.

Este gesto, no entanto, está em sintonia com outros semelhantes, como a chegada de barco a Colônia na JMJ de 2005, ou a chegada ao cais Barangaroo, em Sydney. Recorda também o Grande Jubileu do ano 2000, com João Paulo II cruzando a porta de Tor Vergata acompanhado pelos jovens.

Em seguida, ao som de sainetes, realizou-se uma exibição de cavalos de raça andaluza. Ao chegar ao estrado na Plaza de Cibeles, poucos minutos depois, jovens vestidos com trajes típicos do país lhe deram as boas-vindas, enquanto a tuna lhe fez a ronda, como é tradição nas viagens papais à Espanha.

Esta terceira JMJ do pontificado de Bento XVI está sendo a mais calorosa e festiva, a mais “mediterrânea” e colorista. A mensagem do Papa se dirige também neste sentido, ao incentivar, como fez em sua saudação posterior, a que “o nome de Cristo ressoe por todos os cantos desta ilustre cidade”, inclusive “no coração daqueles que não creem ou se afastaram da Igreja”.

De fato, as palavras “felicidade” e “alegria” foram as mais utilizadas pelo Papa ao dirigir-se aos milhares de jovens em inglês, francês, alemão, italiano, português e polonês.

“Trazeis dentro de vós questões e procurais respostas. É bom não parar de procurar. Procurai sobretudo a Verdade que não é uma ideia, nem uma ideologia nem um slogan, mas uma Pessoa, Cristo, o próprio Deus vindo ao meio dos homens!”, disse em francês.

Particularmente, o Papa expressou sua alegria pela presença numerosa de jovens procedentes da Alemanha, aonde se dirigirá no próximo mês de setembro.

Em português, exortou os peregrinos a deixarem que a Palavra de Deus “penetre e crie raízes nos vossos corações, e sobre ela edificai a vossa vida. Firmes na fé, sereis um elo na grande cadeia dos fiéis. Não se pode crer sem ser amparado pela fé dos outros, e pela minha fé contribuo também para amparar os outros na fé”.

“A Igreja precisa de vós e vós precisais da Igreja”, acrescentou.

(Inma Álvarez)