Papa celebra Missa na festa de Santo Inácio de Loyola

A celebração foi na Igreja de Jesus, centro de Roma

Roma, (Zenit.org) | 703 visitas

O Papa Francisco celebrou a Santa Missa nesta quarta-feira, 31, festa de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, ordem à qual pertence o pontífice. A celebração foi na Igreja de Jesus, centro de Roma, onde estão as relíquias de Santo Inácio.

Concelebraram com o Papa, Monsenhor Luis Ladaria, secretário da Congregação para a doutrina da fé, o Superior da Companhia de Jesus, padre Adolfo Nicolas, e membros do Conselho e outros 200 jesuítas.

 De acordo com a rádio Vaticana, em sua homilia, o Papa Francisco exortou seus confrades Jesuítas "a colocarem Jesus no centro de suas vidas e não a própria pessoa" e a seguirem Cristo na Igreja e com a Igreja: "Ser homens arraigados e alicerçados na Igreja: assim Jesus nos quer. Não pode haver caminhos paralelos ou isolados, mas sim caminhos de busca e criatividade. Isso é importante: ir às periferias, às muitas periferias. Por isso, é necessária a criatividade, mas sempre em comunidade, na Igreja, com essa pertença que nos dá a coragem de ir em frente. Servir Cristo é amar esta Igreja concreta e servi-la com generosidade e espírito de obediência.

O Papa sublinhou que sentimos o sentimento humano e nobre que é a vergonha de não estar à altura, olhando a sabedoria de Cristo e nossa ignorância, a sua onipotência e nossa fraqueza, a sua justiça e nossas iniqüidades, a sua bondade e nossa maldade – continua a notícia.

"Pedir a graça da vergonha; vergonha que vem do constante diálogo de misericórdia com Ele; vergonha que nos faz enrubescer diante de Jesus Cristo; vergonha que nos coloca em sintonia com o coração de Cristo, que se fez pecado por mim; vergonha que coloca em harmonia o nosso coração nas lágrimas e nos acompanha na seqüela cotidiana do meu Senhor. Isso nos leva sempre, individualmente ou como Companhia, à humildade, a viver esta grande virtude; humildade que nos torna conscientes a cada dia de que não somos nós que construímos o Reino de Deus, mas é sempre a graça do Senhor que age em nós; humildade que nos impulsiona a colocar todo o nosso ser não a nosso serviço ou de nossas ideias, mas a serviço de Cristo e da Igreja, como vasos de argila, frágeis, inadequados e insuficientes, nos quais existe um imenso tesouro que levamos e comunicamos."

"Outro ícone que cito como exemplo é Padre Arrupe na última visita ao campo de refugiados, quando nos disse – o que ele mesmo dizia – 'digo isso como se fosse o meu canto do cisne: rezem'. A oração e a união com Jesus. Depois de dizer isso, entrou no avião e chegou a Roma com o acidente vascular cerebral, que deu início ao seu pôr-do-sol longo e exemplar. Dois crepúsculos, dois ícones que nos fará bem olhar e nos voltar para eles e pedir a graça de que os nossos pores-do-sol sejam como os deles."

Depois da Santa Missa, o Papa visitou o quarto do Fundador da Companhia de Jesus, Santo Inácio de Loyola, depois, permaneceu diante do relicário, que contém o braço de São Francisco Xavier, e diante do túmulo do Padre Pedro Arrupe, ex-Prepósito Geral e histórico “papa negro”, falecido há 20 anos.